" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

13
Jul 19

O período 2001/2018 não chegou a ser tóxico. Mas, foi a consagração do “vamos deixar rolar” ou “não to nem aí”.  Agravamos, na visa e na música,  o nosso distanciamento do coletivo. O individualismo, entre as idiotices sertanejas, as pop musics e a invasão do gospel tomaram conta do cenário.

 

 Fomos salvos pelo  rock nacional  e, sempre, pelo Chico, pelo Milton e pelo Edú. Amém!

 

Merece destaque a brecha que as meninas feministas abriram no machismo sertanejo.  Marília Mendonça à frente.  E numa década onde as mulheres mostraram sua cara, encerrar com Elza Soares é uma questão de orgulho e mérito.

 

 

 

 

 

 

publicado por Adelina Braglia às 22:48

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Julho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO