" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

05
Ago 05

Eu cultivei os meus sonhos como quem cultiva roseiras.

Vi brotarem os caules, aparei folhas rasteiras.

Cobri a raiz de estrume, cortei os galhos “ladrões",

todo dia reguei os sonhos à espera dos botões.

(O pé não vinga, fiz-lhe as mudas,

construí sua proteção, e esperei o futuro.)

Vem a luta e a ditadura implode as pontes pro sonho.

A gente não desanima: faz atalhos, abre valas,

faz trincheiras, usa bóias, não se afoga!

Alguns dos bons jardineiros, nem sequer sobreviveram,

Recolhi esperanças, velei corpos, - tanto pranto dolorido -

mas espreitei sempre o pé com botões quase floridos.

As mudas se fortaleceram: cai a máscara e eis o futuro!

Mas, de repente, não há rosas.

Há cinismo, frustração, arrogância, engodo e balela.

O jardim vira capoeira.


E agora, da minha janela, converso com o meu cansaço:

não tenho mais sementeiras, não há mais mudas plantadas.

Recolho no meu quintal luvas, ancinhos, rastelos.

Sem raiva, jogo tudo fora.

Não quero ser pós-moderna!

publicado por Adelina Braglia às 08:40

" A desilusão da poetiza reflete a decepção depois da vida de luta, de espera, de ansiedade. Cabe um novo caminho? Sim. Novas rosas devem ser plantadas. Nem sempre de mesma côr. Nem sempre de mesmo tipo. Mas a sementeira da natureza é pródiga, e a terra fecunda sempre permitirá novos brotos. Mesmo que não haja tempo e vida para as colhermos como rosas."
Paulo Soares a 5 de Agosto de 2005 às 15:24

Agosto 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

14
18

21
26
27

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO