" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

22
Ago 05

Vi a cidade do avião, na madrugada e, de repente, parecia que eu estava em casa. Logo eu, que sempre achei que era cidadã de qualquer lugar, embora ficasse dividida entre a cidade onde nasci e essa onde vivo agora. A sensação, ao olhar da janela, era a de quem volta pra casa, a casa que nunca reconheceu como sua. A cidade estava luminosa, entre o rio e a baía. O pouso parecia o da garça que desliza sobre a água e mergulha, cada vez que precisa de alimento.

Talvez essa cidade alimente minha alma, meu ego, minha presunção. Talvez. A outra cidade alimenta minhas memórias, as da infância e das amizades sólidas construídas na juventude, e conservadas com tanto carinho, que sempre me confundi ao tentar escolher, como se as excluísse da minha vida, caso decidisse ficar por aqui.

Desta vez voltei sem angústia, sem aflições. A cidade vista da janela, parecia dizer com suas luzes: descansa, mergulha de vez nas águas da baía, lava a dor da escolha, pisa no chão, vem ser feliz.

publicado por Adelina Braglia às 09:21

Só mesmo você pra dourar em poesia minha pílula tola. Beijão.
Bia a 22 de Agosto de 2005 às 20:29

" Largue as raízes do lugar/
Que primeiro teus olhos olhou/
A nova morada é sincera/bem quente/
Com resto de mato e de rio/
Com gente de amor/ de paixão/
Que encanta/ acalanta e imanta/
Com todo carinho/
O seu coração."
Paulo Soares a 22 de Agosto de 2005 às 19:19

Agosto 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

14
18

21
26
27

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO