" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

13
Dez 05

Eu falo aquilo que penso


que a palavra pode conter.


Mas o que ela contém, extravasa,


cria pernas, cria asas,


e eu fico olhando pro alto,


vendo os  enormes letreiros


daquilo que não falei.


 


Eu falo quase o que sinto


e vejo as palavras dançando,


rodopiando no ar.


Giram como bailarinas


sem acordes, sem acordos.


Libertam-se do sentido


que tinham quando as criei.


 


Eu sinto sempre o que falo,


e as palavras tomam fôlego:


nadam para além de mim.

publicado por Adelina Braglia às 07:27

Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
16
17

22

25
26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO