" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

08
Jan 06

Em janeiros passados, eu tinha o riso leve e solto, dos que não sabem a verdade. Nessa madrugada de um domingo de janeiro, tenho o riso contido, dos que aprenderam que há mentiras e mentiras. Penso nas minhas poucas convicções, não mais que meia dúzia de três ou quatro, aquelas que sustentam a coluna vertebral e das quais, se eu abrir mão, eu morro, e vejo que são muito poucas, se comparadas às que cultivei naqueles janeiros passados.

Não sei porque me veio essa necessidade de um “balanço de começo de ano”. Não sei porque a minha quase feroz autocrítica, que vinha sendo amainada pelos maravilhosos comprimidos de Pondera, aflorou assim, como se o banho noturno me tivesse tirado a pele cordial que sempre visto ao amanhecer.

Volto a pensar que gostaria de ter sido cantora de bar, daqueles onde as pessoas vão à noite pra namorar, ouvir música, afogar as mágoas ou para deixar vir à tona sua alegria. Não, eu não agüentaria cantar em churrascarias, onde as pessoas vão gritar suas conversas cretinas, ou mastigar de boca aberta enormes pedaços de carne. Talvez assim não acumulasse convicções para deitá-las fora com o passar dos anos.

Não, eu não acho que cantores de bar são imbecis! Creio apenas que, por faltar-lhes o “tempo comercial” para que a vida os entupa - afinal, durante o dia, devem gastar boa parte do tempo a dormir – provavelmente consigam discernir melhor o que vale a pena acumular nas pautas da cabeça.

Há um silêncio a rua e um apagar constante das luzes das janelas nos edifícios vizinhos. Faço, imediatamente, uma ligação entre as janelas apagadas e as minhas convicções jogadas fora. É isso. Sinto-me como um edifício cheio de janelinhas apagadas, com a diferença que amanhã elas, as janelas, estarão acesas novamente, e eu, eu continuarei com três ou quatro janelas que nem sei mais se as quero abrir para entrar o sol.

Amanhã acordo com a alma renovada, como sempre acontece. Mas hoje não. Vou dar-me ao luxo de olhar mais uma vez para fora e me reconhecer no edifício em frente, janelas escuras, comprida sombra noturna.

publicado por Adelina Braglia às 00:51

Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11

17
19
21

24

29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO