" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

22
Jan 06

 Se um dia eu acordar valente,

e Rocinante, finalmente, me derrubar,

vou ver que os moinhos não são de vento:

são de terra, areia e mar.

Vou reescrever minha vida,

indo buscar as mangas cheirosas da  infância

da casa da minha avó,

e os seus doces da mamão,

e a malhadeira de meu pai,

e o pão caseiro da tia,

e os gnocchis da minha mãe,

e atiro-os todos ao ar!

Livro-me de gostos e cheiros,

abando essa melancolia - e esse enorme prazer! -

de olhar pra traz.

 

Se um dia eu acordar valente,

faço várias parcerias

nas letras que tanto gosto!

Começo roubando Gil,

pra me convencer a só ser.

Junto-me a Cazuza, e grito:

eu preciso dizer que te amo...tanto!

Desculpo-me com meus filhos,

e os da sua geração, surrupiando Ivan Lins:

  “perdoem a falta de ar...”

E vou-me embora pra Pasárgada,

seguindo Manuel Bandeira,

pra ter o amor que quero,

na cama que escolherei!

publicado por Adelina Braglia às 08:54

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11

17
19
21

24

29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO