" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

16
Mai 11

 

Tenho duas gatas idosas (Catarina, 11 anos e Juliana, 9 anos). As duas levam vida mansa, tranqüila, sem desacertos.

 

Há pouco mais de um ano albergou-se conosco um gato de rua que adotou nossa casa e em janeiro fez parte da nossa mudança de endereço, após o conselho familiar decidir que era melhor afastá-lo do Bosque Rodrigues Alves, onde gostava de passar as noites e as madrugadas, do que deixá-lo à deriva.

 

Ele é extravagante, cheio de hábitos. Tem horários rígidos para comer. Quando há algum atraso, se põe a miar estridentemente, reclamando o café da manhã, o almoço, o jantar e, se possível, uma merenda no meio da tarde. Ele come compulsivamente, embora saiba, neste ano e pouco, que comida não lhe faltará. Quando o vejo assim aflito, devorando a ração como se ela fosse a última da sua vida, penso na memória da fome.

 

Penso que nós, os bem alimentados da vida, não temos noção do que ela é. Assim como nós, os “brancos por natureza”, não temos memória da cor ou da dor dela.

 

Não. Não considero adequado o início deste post para chegar aonde cheguei agora. Poderia ter começado com resumos dos estudos e análises que li ao longo dos anos sobre discriminação, racismo e preconceito. Mas, não foi assim que minha lógica funcionou. Funcionou a partir da memória da fome do gato e, talvez por ser assim, doméstica e simples, doeu como se eu tivesse alguma noção real da memória da dor da cor.

 

 

 

 

 

publicado por Adelina Braglia às 20:12

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO