" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

28
Mar 10

 

 

 

Em 28 de março de 1941, Virgínia Woolf encheu de pedras os bolsos do seu casaco e mergulhou no rio Ouse. Punha fim à angustiante convivência consigo, reconhecendo que nem o amor incondicional era capaz de mante-la atada à vida.

 

Quando eu tinha dezoito anos, descobri que Virgínia chamava-se Adeline Virginia Stephen Woolf. Adelina, como minha avó paterna e eu. O primeiro livro dela que li foi Orlando. Ao invés de interessar-me pelo tema que gerara o livro,  lembro que fiquei fascinada pela Turquia! À época, não percebia o amor dela por Vita-Sackville West, que só fui entender anos depois, quando li “Retratos de um casamento”, livro de Nigel Nicholson, filho de Vita. Li Orlando apenas como uma maravilhosa fábula que discutia o papel restrito da mulher em Londres, no período em que foi escrito. Oh! Céus!

 

Virgínia Woolf foi minha primeira percepção de que há pessoas em quem a camisa de força da vida não cabe, e, às vezes, é insuportável.  E que a única coisa que nos mantém vivos é a nossa capacidade de resistir à angústia, tenha ela a forma que tiver. E a perseverança de viver, enquanto queremos. E, se é isso que queremos.

publicado por Adelina Braglia às 20:23

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
25
26
27

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO