" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

16
Fev 10

 

Há tratados, teses, livros e opiniões aos montes para explicar o fenômeno do Carnaval brasileiro. Eu prefiro apenas uma: nossa alma racista e colonial, misturada ao machismo a ela inerente. Aquela que nos faz ter reis em todas as modalidades: Rei Momo, rei do futebol, do tênis, da axé-music! E destinar aos negros – e com mais ferocidade às mulheres negras - os postos secundários da sociedade, à exceção dos dias do “reinado de Momo”.
 
Por três dias, ganhamos as ruas, fantasiados do que queremos ou podemos. As mulheres, especialmente, desfilam sua soberania quando as porta-bandeiras iluminam a avenida, não importando que após a quarta-feira voltem para a senzala eterna. Interessante é que o homem é o Mestre Sala e a mulher é a porta-bandeira, quase um acessório.
 
Essa idealização do império ficou patente ontem pela manhã, quando atravessava a rua e vi um carro alegórico retornando após a folia. Um velho negro com ar abatido tentava dar direção à carroceria, enquanto quatro negros jovens empurravam o que restou da magia daquela alegoria.
 
O orgulho da raça. Cínico. Hipócrita.Concedemos, com a nossa magnanimidade branca, três dias de euforia para afogar a mágoa, a dor e a raiva do racismo e do preconceito diários.
 
O desfile das escolas de samba do Rio – ainda que meu amor pela Mangueira aparentemente contradiga este discurso – é o exemplo mais feroz de tudo isto. Abriu-se na senzala o espaço para que as branquelas e branquelos exibam seu requebrado. Pretende-se assim mostrar que a igualdade é uma característica brasileira.
 
Tento suavizar este mal estar pensando que ainda assim, são negras e negros que fazem a festa. E divertem-se com a semgracisse – palavra nova! – dos colonizadores. Assim fica melhor.
publicado por Adelina Braglia às 10:50

Como é possível Mangueira não ganhar??? Anda aí galinha preta, só pode!

Coitado de meu tio Cabral! Detestado no Brasil, esquecido em Portugal - como quer devolução?
samartaime a 23 de Fevereiro de 2010 às 17:46

Eu não detesto mais o Tio Cabral. E devo isso à paciência que você teve de me fazer compreender um pouco melhor Portugal e a sua história. Aliás, você fez isto com muito mais eficiência do que Tio Camões!

Beijão.
Adelina Braglia a 24 de Fevereiro de 2010 às 20:38

Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
17
18
19
20

21
22
26
27

28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO