" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

20
Jul 09

 

Circula por e-mail um texto do jornalista Mauro Carrara, contestando o tipo de jornalismo da Folha de São Paulo, citando como exemplo uma matéria de pesquisa do IPEA sobre variações na distribuição da renda.
 
Ressalvando que o último parágrafo do texto do jornalista é absolutamente verdadeiro:
 
“...Durante a Ditadura Militar, a partir de 1964, o grupo Folha passou a apoiar integralmente o regime. Depois do golpe dentro do golpe, em 1968, o jornal passou a colaborar com a repressão aos movimentos operários, estudantis e às organizações que entraram para a luta armada. Os carros da Folha eram usados por policiais e arapongas. Otávio Frias entregou o jornal Folha da Tarde para os policiais da repressão; durante anos o jornal abrigou policiais, informantes, dedos-duros; e serviu para divulgar os "ATROPELAMENTOS" de militantes das esquerdas mortos sob tortura..”
 
 o jornalista, porém, erra na “bronca” sobre a análise da pesquisa, quem sabe pela ênfase à  militância. Assim, Carrara comete também o seu desvio jornalístico.
 
Vamos lá. Diz o texto do jornalista:
 
“(...) Na numeralha, há um dado espetacular, e que mereceria o título da matéria: entre 2.003 e 2.008, segundo o Ipea, o número de pessoas pobres caiu de 35% para 24,1%. Pronto. Se restasse inteligência e algum pingo de honestidade na redação da Barão de Limeira, pinçar-se-ia daí a boa chamada.
O método salafrário (e burro por opção) da Folha de S. Paulo, entretanto, preferiu estampar o seguinte: "Número de ricos cresce e classe média avança". Agora, vale verificar qual foi este avanço. Segundo o estudo, o número de indivíduos com renda mensal igual ou superior a 40 salários mínimos cresceu de 0,8% para 1% (...)”
 
Para espicaçar – merecidamente - o Folhão, Mario Carrara desconsiderou que o próprio IPEA, por respeito à verdade, indica a pesquisa no seu site e destacava também que cresceu o número de ricos. E isso porque proporcionalmente, o avanço dos ricos foi de 80% e dos pobres, 70%, já que estamos falando em taxas.  Que há muito mais pobres do que ricos no Brasil, do Tio Cabral ao Nosso Guia,  ninguém discorda, mas que o movimento de avanço dos ricos foi maior do que a redução da pobreza, também não dá pra omitir.
 
No gráfico 1 do estudo, o IPEA ficou cravado,  por respeito à ciência e à realidade, que a redução da pobreza, ainda que o Instituto não tenha comentado, não é um “fenômeno” do período Lula (2003-2008), mas um movimento que já se manifestada desde 1992 (isso, da era "marginalia" de  FHC, como ministro de Itamar e depois Presidente da República).
 
Caramba, Santo Ambrósio. Assim, fica sempre mais difícil. Porque nesse brasilzinho, o que sai é o detentor de todo o mal. E o que chega, é o senhor da bondade!
publicado por Adelina Braglia às 08:46

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

14
16
17
18

19
21
24
25

26
27
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO