" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

10
Jul 09

 

Um país cínico começa mal nas origens.
 
Relendo um artigo do Professor Renato Lessa – A invenção republicana -descubro que meu mal estar de ontem ao ler as notícias sobre a aprovação da profissão de mototaxista tem explicações mais acadêmicas.
 
Por partes. O artigo de Renato Lessa lembra que “...O Brasil foi a única monarquia pretensamente constitucional na qual o Imperador era apresentado da seguinte maneira: "O Imperador assim o é pela unânime aclamação dos povos e pela graça divina." Na Europa, esses dois princípios foram separados por barricadas, e sangue foi vertido entre os defensores do direito divino e os do modelo da aclamação dos povos. Aqui, foi a pena de Antônio Carlos Ribeiro de Andrada que compatibilizou princípios ideológicos completamente diferentes.”
 
A Câmara aprovou que mototaxistas podem agora existir, desde que tenham dois anos de habilitação. Pronto. Percebeu? Sem coragem para proibir ou ampliar a discussão sobre uma profissão de altíssimo risco - da mesma forma que não se extinguiu o princípio contraditório da aclamação pelos povos contra a graça divina -  faz-se de conta que há alguma seriedade ou cuidado nessa regulamentação.
 
Para os mototaxistas, dois anos de carteira de habilitação. E para os engenheiros? Os médicos? Os motoristas de táxi? Nadinha? Podem exercer sua profissão impunemente porque nossas consciências estão salvas?
 
Da mesma forma que sou capaz de adivinhar que os argumentos a favor são todos patrióticos. O desemprego é o principal.  Não poderíamos aproveitar a onda e regulamentar a profissão de apontador de jogo do bicho? Afinal, todos trabalham, têm famílias para sustentar e o fazem na ilegalidade!
 
Não. Por incrível que pareça, não sou contra a regulamentação para os mototaxistas. Sou contra a hipocrisia e o cinismo com que ela nos chega, embrulhada em medidas de controle, quando só o que pesou foi o controle dos votos que esses desesperados trabalhadores representam.
 
 
O pior é descobrir que nosso processo é involutivo. Na manutenção do poder divino do Imperador e da sua aclamação pelos povos, havia um claro componente ideológico. Agora, há um claro e rasteiro oportunismo. Que nem sei justificar mais em que ponta do iceberg se ancora.
 
Tinham razão os Velhos.  Marx: a repetição da história só se dá como farsa. Machado de Assis: ao vencedor, as batatas.
 
publicado por Adelina Braglia às 13:35

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

14
16
17
18

19
21
24
25

26
27
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO