" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

12
Abr 09

 

Apesar de ateu confesso meu pai comemorava a Páscoa como poucos cristãos.

 
O almoço era previamente organizado. Comida boa, farta e bonita. Os ovos de chocolate eram imprescindíveis. Na minha infância, o Natal era a Páscoa.

 
Curiosa com o que me parecia extremamente contraditório – a comemoração máxima dos católicos e sua descrença na igreja – perguntei a ele a razão daquela comemoração.

 
Contou-me o pai que, cuja infância paupérrima eu conhecia, que num domingo de Páscoa, quando tinha 6 ou 7 anos, amanheceram ele a avó com um único pedaço de pão amanhecido e nada mais. O avô já havia morrido – morreu com 21 anos meu avô – e eram apenas os dois. Dividiram o pão, sem ter como complementar a refeição. E desde esse dia ele jurou pra si que quando crescesse, casasse e tivesse filhos, a Páscoa seria sempre uma festa.

 
Eu segui a mesma trilha. O domingo de Páscoa é importante para mim. Não lembro, é verdade, do sentido da ressurreição, mas lembro sempre do pai. E penso quantas crianças passam o dia de hoje como ele o passou há quase cem anos.

 
E, apesar da alegria de fazer o almoço de Páscoa, de lembrá-lo sempre altivo e generoso, o chocolate deixa sempre um gosto doce amargo na boca.
 

 
publicado por Adelina Braglia às 16:05

Tardia mas amiga: boa páscoa desta ateia.

Beijão!
pilantra a 12 de Abril de 2009 às 23:40

Obrigada, querida. Ainda que atéia e tardia...rsrsrs...Beijos.

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO