" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

11
Ago 08

 

Algumas pessoas muito amáveis preocupam-se com os animais abandonados. Dizem: “... estes pobres cãezinhos estavam famintos e doentes antes de eu acolhe-los. Muitos de preocupam com crianças de rua, mas quase ninguém se ocupa destes pobres animaizinhos...”
O rosto crispado de dor e as lágrimas rolando cara abaixo, é pano de fundo de tanta emoção. E eu, que gosto de animais, embora prefira gatos, fico a confrontar-me com a minha insensibilidade.
 
As pessoas amáveis costumam discorrer sobre a sua preocupação com a miséria, principalmente com a das crianças esquálidas da África. Comentam, comovidas, como era terrível a imagem daquele negrinho pouco-vivo-quase-morto que apareceu no domingo no Fantástico.
E emendam a este assunto a manifestação de aborrecimento que tiveram na tarde anterior, quando um pivete tentou insistentemente lavar o vidro do seu carro antes do farol abrir.
 
A maioria destas amáveis pessoas também não manifesta atrasadíssimos preconceitos contra os homossexuais. Dizem: “... nada tenho contra os gays Só acho muito estranho quererem adotar filhos. Afinal, a pobre criança vai ter que explicar na escola porque tem dois pais ou duas mães...”
 
Já pensei em dizer-lhes – às pessoas amáveis – que se eletrificassem o vidro do carro, para dar choque nos pivetes inconvenientes quando eles encostassem, sobrar-lhes-ia mais tempo para pensar no negrinho quase-morto-pouco-vivo da África.
 
Já pensei também em dizer que poderiam soltar os cachorrinhos e assim teriam espaços para recolher nos boxes do canil os gays, dando prioridade aos que querem criar constrangimentos a uma criança, adotando-a! Afinal, fica muito evidente o constrangimento das crianças terem que explicar-se na escola - que antes nunca puderam freqüentar - que negócio é esse de dois-pais, duas-mães!  
 
Quem sabe também face à insensibilidade que já demonstrei no segundo parágrafo, poderia sugerir-lhes – às pessoas amáveis – que ao invés de recolher os gays aos boxes do canil, ali pusessem suas excelentíssimas mães.
 
Mas, não se assustem. Jamais o farei. Afinal, são pessoas amáveis. E muito sensíveis. E poderiam compreender-me mal.
 

 

publicado por Adelina Braglia às 14:34

Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
13
14
16

17
21

24
25
26
27
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO