" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

19
Mai 08

 

A questão das cotas raciais remexe a sociedade brasileira e seus nichos de elite: as Universidades e os intelectuais. A disputa dos manifestos pareceria um Palmeiras e Corinthians ou um Fla x Flu, e seria engraçada, se não expusesse a fratura racial da sociedade brasileira.
                                      
Dois manifestos foram entregues ao Supremo Tribunal Federal, um a favor e o outro, contra. Os que assinam a favor das cotas são velhos e aguerridos militantes do movimento negro e democratas que engajam-se em todas as lutas por direitos e desejos humanos. Ali não houve surpresas.
                                                             
Para mim, as surpresas ficaram restritas a alguns que assinaram contra a implantação de reserva de cotas nas universidades públicas brasileiras,  e considerados progressistas nas suas áreas de atuação: José Arbex Junior, Luiz Werneck Vianna, Lya Luft, Rodolfo Hoffman. Outros, eram esperados e devem ter encabeçado o movimento, conhecidos que são pelos argumentos bastante acatados pela mídia, pelos jornalões, pela Rede Globo sobre a tese da miscigenação como o caminho da cordial sociedade “mestiça”: Demétrio Magnoli, Yvonne Maggie, Peter Fry. Quanto à presença de Caetano Veloso entre esses, é apenas o velho Cae seguindo sua rota de canastrão após meados dos anos 90. Afinal, envelhecer não é para todos.
 
Os argumentos gerais dos “contra” baseiam-se na Constituição e já foram derrubados pelo Ministro Carlos Ayres no primeiro voto a favor das cotas no STF, que observou que a Constituição brasileira garante tratamento desigual aos desiguais. Os argumentos diretos remetem até a frase de Marthin Luther King retirada do seu contexto histórico e à afirmação “... as cotas raciais nos Estados Unidos não contribuíram em nada para reduzir desigualdades, mas aprofundaram o cisma racial que marca como ferro em brasa a sociedade norte-americana.” Como eles não desconhecem a história americana, considero gracioso - ou melhor,  racista - esse argumento, como se o problema racial norte-americano tivesse sido agravado pela implantação das cotas. 
 
Lembro que mesmo num regime declaradamente racista, os negros escravizados americanos receberam quarenta acres de terra e uma mula - não por coincidência o nome da produtora de Spike Lee – e os nossos receberam unicamente a porta da rua, dando seqüência a uma vida de exclusão, miséria e discriminação.
 
Outra “dúvida” dos “contra” é como se identifica quem é branco e quem não é. Resposta simples: pelos mesmos critérios que fazem com que o olhar branco da nossa sociedade achasse natural que durante décadas os negros usassem o elevador de serviço, ou  que as mulheres negras tenham menos consultas pré-natal do que as mulheres brancas, ou que a “intuição” do patronato garanta que os trabalhadores negros ganhem em média 40% a menos do que os trabalhadores não-negros.
 
Os dois documentos foram anunciados assim pela maioria da imprensa: “Intelectuais entregam ao Supremo manifesto contra as cotas.”. “Militantes entregam ao Supremo documento a favor das cotas”, tentativa clara de desqualificar um documento feito por “militantes”. Entre os “militantes”, Oscar Niemayer, Nelson Pereira dos Santos, aristas negros e não-negros.
 
Os documentos estão disponíveis na WEB. Eu li os dois. Dediquei bastante atenção ao "contra” para melhorar meus argumentos a favor.
                                                                                   
publicado por Adelina Braglia às 20:46

Caro Lucas,

algumas das suas hipóteses dificilmente se realizariam. As duas crianças nascidas em situação semelhante, uma branca e outra negra, seguiriam trajetórias diversas, que os dados nacionais comprovam.

Em 2006, a população negra de 15 a 17 anos que cursava o ensino médio (37,94%) distanciava-se 20,9 pontos percentuais da dos brancos (58,3%). No ensino superior, a proporção da população negra com escolarização na idade correta foi de 6,1% - 12,7 pontos percentuais menor que a da população branca.

Do ponto de vista da saúde, os dados também são ruins: o Programa Nacional DST/Aids-MS face às tendências de pauperização e de feminização da epidemia estão demonstrando que a população negra encontra-se em desvantagem social no que se refere à construção de respostas efetivas no combate à epidemia.

Há muitas informações Lucas. caso vc se interesse, deixe um recado que eu indico uma bibliografioa para você.

Um abraço

Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO