" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

04
Ago 12

 

Hoje cedo, entre um alho fritando na panela e uma  música tocando na rádio, achei  que, sem modéstia, Tom Jobim  já havia parcialmente me definido nos versos iniciais de  “Lígia”.

 

Porque não gosto de chuva, nem de sol e menos ainda de praias quentes e plenas de areia.

 

Bares ou restaurantes cheios, música alta, pessoas querendo ser vistas e incapazes de se ver, são hoje para mim a pré-estréia do Inferno.

 

Distancio-me cada vez mais  das pessoas, nas relações individuais, temendo ter o trabalho de me repaginar a cada encontro. Disto só não me sinto cobrada pelos irmãos e pelas velhas e adoráveis amigas.

 

Ao escrever isto agora  descubro porque ando sendo tão assídua nos supermercados: ali se expõe o que quero e entro e saio, se quiser, sem dizer nada, salvo o cordial bom dia, boa tarde ou boa noite e o obrigada. Nada mais me é exigido.

 

Continuando a escrita, chamo a esses sentimentos de cansaço. Pensando melhor, defino-os como tédio. E, pensando mais um pouco, acho que a velha melancolia anda se aproveitando de mim, tão envolvida que ando nas minhas preocupações coletivas...rsrsrs...

 

 

 

 

 

 

publicado por Adelina Braglia às 22:29

Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
18

20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO