Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Fevereiro 2009

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728


Pesquisar

 


Milk. Ainda que tarde a igualdade.

Sábado, 21.02.09

 

 

 

 

 

Milk, a voz da igualdade, estréia no Brasil cercado de expectativa em torno da história de Harvey Milk, o primeiro parlamentar americano – num cargo equivalente ao dos nossos vereadores - a assumir publicamente sua homossexualidade, a morar com seu companheiro e a ser um ativista com mandato explícito contra a discriminação sexual, na década de 70, no século passado. Isso, no século passado, para que se perceba melhor sua coragem há 40 anos.
 
A luta de Milk incluia o direito dos homossexuais lecionarem nas escolas, um direito geral de cidadania, luta que às vezes ficou submersa pelos paetês e pelas gargantilhas cor-de-rosa que a imprensa destacava no movimento gay daquele período. E, ainda hoje.
 
A perseguição no trabalho, a discriminação na sociedade, e, muitas vezes, na família e na vizinhança, estão presentes e fazem vítimas todos os dias. Vítimas da crueldade física – é superior à média o índice de crimes cujas vítimas são homossexuais, sem esclarecimentos das polícias – e moral.
 
Harvey Milk foi assassinado em 1978, ao lado do prefeito de Nova York, George Moscone, também homossexual.. O motivo? Oficialmente um adversário estava enraivecido pela sua vitória eleitoral, em detrimento da própria derrota.
 
Os elogios a Sean Penn pelo desempenho como Milk asseguram que Penn revive sem imitar.
 
Minha reflexão é curta. Rasa. Direitos coletivos serão sempre frágeis enquanto direitos considerados hipocritamente como “seletivos” forem negados.
 
 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 20:52

Um dia qualquer.

Sábado, 21.02.09

 

 

 

Amortecidas pelo desconforto permanente, as pessoas viajam sem abrir as janelas do ônibus, ainda que a chuva tenha parado.
 
O abafamento mistura os cheiros de perfume barato, roupas molhadas e  suor do trabalho. Um cheiro insuportável de vida real.
 
Tento esconder-me nos pensamentos ou na paisagem úmida da janela. Mas uma criança senta-se ao meu lado e no colo da mãe, chora.
 
Seu choro é um misto de birra e sono. A mãe parece não ouvi-la, mais imersa do que eu nos próprios pensamentos.
 
Distraio--me agora imaginando onde e como moram. E ao dedicar-me a isso, o choro da criança é apenas a música de fundo de uma vida sem glórias.
 
Localizo-as- mãe e filha – numa das muitas ruas da periferia que conheço. Um beco sem asfalto, mal iluminado, onde o lixo dorme na entrada da rua.
 
Casas mistas, de alvenaria e madeira. Mais madeira do que alvenaria.
 
Quem sabe moram na baixada, onde a estiva tem por baixo a água suja,  o “chão de estrelas” do samba do tempo em que a favela era “lírica” para os bem postos na vida.
 
Deve haver quatro ou cinco cachorros pela rua e quando elas chegarem ele vão latir muito. Cães da rua latem por tudo e para todos. Quem sabe mais dois ou três garotos. Com fome. Esperando a mãe trazer a comida que faltou no almoço.
 
Mergulhada nesse texto, não vi quando desceram. E me senti muito mal. Como se de repente me apercebesse de que a minha solidariedade está tão nublada pelo hábito de conviver com o sofrimento alheio a ponto de transformá-lo em ficção.
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentários recentes

  • Anónimo

    Que bacana , cá estou pronto pra te perguntar : co...

  • River

    Saúde! Segurança! Educação!A cultura e a Educação ...

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...






subscrever feeds