Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Setembro 2008

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930


Pesquisar

 


O Brasil "mulatinho".

Segunda-feira, 15.09.08

 

A SPM (Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres), o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e o Unifem (Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher) e apresentaram hoje, em Brasília, os primeiros resultados da pesquisa "Retrato das desigualdades de gênero e raça", que compara microdados Pnads 1996 e 2006.
 
Além de preparar um detalhado e inédito perfil da população brasileira a partir de recortes de gênero e raça/cor, este trabalho já organiza os dados mais recentes para compará-los com a Pnad 2007 que está será lançada nesta semana.
 
Veja alguns destaques do estudo.
 
Chefia de família
 
- aumento na proporção de famílias chefiadas por mulheres
- crescimento do número de famílias monoparentais masculinas
- crescimento das famílias formadas por casais com filhos chefiadas por mulheres
 
Educação
 
- os negros e negras estão menos presentes nas escolas, apresentam médias de anos de estudo inferiores e taxas de analfabetismo bastante superiores.
 
Previdência e assistência social
 
- A cobertura é maior para homens idosos brancos e menor para mulheres negras ;
a grande maioria dos domicílios que recebem benefícios assistenciais é chefiada por negros.
 
Mercado de trabalho
 
- Mulheres ocupadas são mais escolarizadas que os homens ocupados;
- Negros trabalham mais e nas piores ocupações. Entram mais cedo no mercado e saem mais tarde.
- Meninos negros são as maiores vítimas do trabalho infantil
- Trabalho doméstico remunerado é, ainda, persistente e majoritariamente feminino, negro e informal (sem carteira assinada)
 
Habitação e saneamento
 
- Domicílios chefiados por negros aqueles que se encontram sempre em piores condições, têm menos água encanada, esgoto e coleta de lixo;
 
- Pobreza, distribuição e desigualdade de renda 
 
Nos últimos 12 anos, homens brancos perderam renda, enquanto mulheres e negros ganharam. Ainda assim, o rendimento dos homens brancos supera o de mulheres e negros.
 
A pobreza e a indigência negras são três vezes maiores que a pobreza e a indigência brancas (Pobre = quem sobrevive com até ½ do SM per capita por dia; Indigente = quem sobrevive com até ¼ do SM per capita por dia)


Fonte: Ipea/ Assessoria de Comunicação (13/09/2008)
Link relacionado
: http://www.ipea.gov.br
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

As memórias do 11...

Segunda-feira, 15.09.08

"A mentirinha do século

por Tutty Vasques, Seção: Evasão de privacidade s 11:00:16.

A cada 11 de setembro que passa, mais e mais pessoas em todo o mundo reinventam a própria história para responder à clássica enquete sobre “o que você estava fazendo na hora dos ataques do terror a Nova York”. Oito anos após a tragédia, não há mais relatos de gente que estivesse, porventura, no banheiro, na cadeira do dentista, às turras com um operador de telemarketing ou falando sozinho num engarrafamento de amargar. Entre uma e outra torre abaixo, estavam todos fazendo negócios da China, sexo tântrico, viagens ao paraíso...

Mentir, no caso, não altera os fatos relevantes da efeméride. Só retoca a rotina tediosa dos sobreviventes do primeiro dia do resto do fim do mundo. Pense nisso: você tem a partir de agora um ano inteirinho para reprogramar seus passos naquele 11 de setembro de 2001. Uma dica: evite a sugestão aqui ventilada do sexo tântrico, que está super batida! Use a imaginação, mas, por favor, menos, ok?"

 

 

Os dias passados depois do dia 11, as torres e as torres e as torres, e a crítica ferina de Tutty Vasques lembram que aqui no Brasil..sil..sil.. não nos lembramos mais do outro ONZE: o do Chile, aquele do assassinato de Allende.

 

Não somos e nunca seremos mesmo parte da América Latina. Somos cucarachas. Nada melhor do que isso. A única similaridade - sempre pelo pior lado - é termos agora o nosso Perón, aquele que é amado pelos pobres e adorado pelos muito ricos. pelos banqueiros. Porque essa pesquisa do Datafolha parece que destaca apenas a alegria da bolha - ou dos bolhas - da classe média despolitizada.

 

 

PS: Santo Ambrósio, você sumiu mesmo? já pediu asilo???

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 09:26


Comentários recentes

  • River

    Saúde! Segurança! Educação!A cultura e a Educação ...

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...

  • Adelina Braglia

    Amém! Beijo.






subscrever feeds