Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Dezembro 2006

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31


Pesquisar

 


Camaleão.

Segunda-feira, 04.12.06

 

 

Não importa quem eu seja

o que vale é como me vês.

E quero ser o que bem quero

ou acho que sou capaz.

E posso gritar entre dentes,

posso chorar no banheiro,

posso abraçar quem precisa,

beijar  quem me der vontade,

dizer o que acho certo,

combater o erro e a maldade,

qual o santo guerreiro

do filme de Glauber Rocha.

 

Não, não és o Dragão da Maldade.

 

 

Posso ser quem eu quiser,

posso enganar que vou,

posso ficar não estando.

Hoje vou ser um pássaro,      

mas não vais reparar nas minhas asas,

amanhã, um jabuti,

e nem verás minha couraça.

Ontem eu era uma aninga,

mas no rio, olhavas os peixes.

Anteontem, caroço de manga.

 

Não interessa quem sou,

porque me vês como queres.

Não interessa o que queres,

não consigo ir além do que sou.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 18:29

Overdose de Arnaldo Antunes.

Segunda-feira, 04.12.06

 

 

 

(...) “Lembro-me de ter lido, certa vez, um comentário de Décio Pignatari, em que ele chamava a atenção para o fato de, tanto em chinês como em tupi, não existir o verbo ser, enquanto verbo de ligação. Assim, o ser das coisas ditas se manifestaria nelas próprias (substantivos), não numa partícula verbal externa a elas, o que faria delas línguas poéticas por natureza” (...)
 
 
 
As coisas têm peso,
massa, volume, tamanho,
tempo, forma, cor,
posição, textura, du¬ração,
densidade, cheiro, valor.
Consistência, profundidade,
contorno, temperatura,
função, aparência, preço,
destino, idade, sentido.
As coisas não têm paz.
 
(As coisas)
 
 
 
As árvores são fáceis de achar
Ficam plantadas no chão
Mamam do sol pelas folhas
E pela terra
Também bebem água
Cantam no vento
E recebem a chuva de galhos abertos
Há as que dão frutas
E as que dão frutos
As de copa larga
E as que habitam esquilos
As que chovem depois da chuva
As cabeludas
As mais jovens mudas
As árvores ficam paradas
Uma a uma enfileiradas
Na alameda
Crescem pra cima como as pessoas
Mas nunca se deitam
O céu aceitam
Crescem como as pessoas
Mas não são soltas nos passos
São maiores, mas
Ocupam menos espaço
Árvore da vida
Árvore querida
Perdão pelo coração
Que eu desenhei em você
Com o nome do meu amor.
 
(As árvores)
 
 
 
O amor é feio
Tem cara de vício
Anda pela estrada
Não tem compromisso

O amor é isso
Tem cara de bicho
Por deixar meu bem
Jogado no lixo

O amor é sujo
Tem cheiro de mijo
Ele mete medo
Vou lhe tirar disso

O amor é lindo...

O amor é lindo
Faz o impossível
Amplia o infinito
O amor é bonito
O amor é santo
Conforto de um manto
O amor é graça
Ele dá e passa

O amor é livre
O amor é livre
O amor é livre
O amor é livre
 
(O amor é feio)
 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentários recentes

  • Anónimo

    Que bacana , cá estou pronto pra te perguntar : co...

  • River

    Saúde! Segurança! Educação!A cultura e a Educação ...

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...






subscrever feeds