" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

08
Nov 06

 

Conheci Coração materno, cantarolada pela madrinha, que acompanhava os trinados de Vicente Celestino e emocionava-se muito com a história da mãe que ama o filho acima de todas as coisas. Quando Caetano gravou-a no Tropicália, ela já era minha velha conhecida.
Quando Sueli Costa lançou Coração ateu, em mil novecentos e alguma coisa, eu me encantei muito mais com o título do que com a letra. E achei que um coração ateu era muito interessante e mais poético do que um coração materno espatifando-se no chão, arrancado do peito da mãe por um filho desvairado de amor.
Depois Caetano veio com o Coração vagabundo e aí, a letra, muito mais do que o título, ficou vagando na minha memória. Mas eu ainda gostava de pensar num coração ateu.
Não sei porque lembrar essas coisas. Talvez porque me caiba melhor um coração ateu, do que um coração vagabundo.
publicado por Adelina Braglia às 21:28

Novembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

15

21



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO