" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

13
Jan 06

Quando a alma está asmática,dos pulmões não sai o ar.

Quando uma dor fininha perpassa as costas de um lado ao outro,

eu lembro do anúncio do bonde:

"Veja ilustre passageiro o belo tipo faceiro

que o senhor tem ao seu lado!

E, no entanto, acredite, quase morreu de bronquite,

salvou-o o Rhum Creosotado."

E lembro da minha mãe fazendo chás e mezinhas

por não saber fazer carinhos.

E do pai a atar a rede no centro da nossa sala,

a tecer as malhas finas pro peixe que não pegava,

porque mais lhe valia tecer as malhas de linha,

do que jogá-las na água.

E lembro do corre, corre, nas calçadas da infância,

dos mendigos residentes nas ladeiras da nossa rua.

Cada um chegava à porta como velho conhecido,

lavavam as mãos e os pratos que consigo carregavam.

Ali recebiam água limpa, comida feita na hora,

e o respeito das crianças.

Lembro da festa junina, da dança que não dancei,

porque se partira a sandália!

E o ar, devagarinho, vai saindo dos pulmões,

como se desanuviasse os porões da minha memória.

publicado por Adelina Braglia às 21:57

olhodedeus.JPG 

Rosa percebe o olho de deus.

Eu vejo a lua encoberta.

Vemos de ângulos distintos,

a mesma coisa, afinal,

o falso olho de deus

piscando na lua real!

Eis que Rosa faz um reparo,

que não é lua também!

Diz que é o nevoeiro,

o mesmo que a iludiu.

Repito que é a lua, sim,

que a ilusão é para o que convém!

Beijo, também!

(imagem/www.terra.com.br)

publicado por Adelina Braglia às 18:15

Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11

17
19
21

24

29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO