" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

27
Nov 05

bitblog.bmp


Assim, com esse jeito prussiano de falar. Com esse olhar doce e maduro, embora verde furta-cor.

Compartilho seu carinho com um batalhão de filhos. Mas, que me perdoem Vera Helena, Drica, Bisa,  Pic, Marcelo e Junior  - hoje mais dono dela do que qualquer um de nós, porque a tem numa dimensão além do ciúme e da disputa - mas há uma Bit que é só minha. Amiga, irmã, companheira de jornada, de risos, de ironias e de algumas tristezas tão bem compartilhadas.

Sinto sua falta principalmente quando naufrago. Não vacilo em telefonar depois de meses sem dar-lhe notícias, e lá está ela. Generosa. Reafirmando que nosso amor é sólido.

Amiga é isso.Beatriz.

Um beijo.

publicado por Adelina Braglia às 18:17

Hoje estou mal com tudo.

A única coisa que não me irrita é a música.

Ouço muitas, desde o amanhecer.

Sempre pensei que a história do Brasil poderia escrever-se com a música.

Houve um tempo em que a bossa nova representou o ideal de um Brasil rico, feliz. Juscelino Kubstschek e a industrialização! Assim, havia espaços pra intimismos, podia-se pensar no barquinho, na flor, na garota de Ipanema.

A seguir vieram os anos da má transformação. Janio Quadros e sua loucura. Sua estupidez.

João Goulart e seu sonho revolucionário, típico do pequeno burguês nacionalista. Cheio de amor pelo país. As avaliações erradas do PCB, o racha na esquerda (o primeiro de milionésimos que se seguiram). Os militares e Geraldo Vandré, ”...caminhando e cantando e seguindo a canção."

Chico veio logo, primeiro a Banda, onde se via a vida passar na janela. Depois, canções memoráveis que indicavam que o sanatório geral era aqui.

Caetano e Gil são panfletários. Oportunistas. Aproveitaram ondas, e revelaram-se logo a seguir  animadores de picadeiros. São bons poetas. Mas, não os prezo e não os incluo na minha história brasileira musicada.

As canções de Paulo César Pinheiro e Eduardo Gudin refletiam também o susto dos jovens de classe média, e marcaram momentos bons. Mordaça. A ponte.

Chico sim, esse continua, sempre atento, acompanhando nossa geração de sonhos e pesadêlos. Apesar dos generais, tínhamos um país que acordava. Nossa cabeça rolando e nós de camisa amarela, ainda esperávamos a luz do sol da democracia, mesmo frágil e tênue, como ainda é.

Novas gerações cresceram desesperançadas. Um país infeliz, escuro e calado marcou suas infãncias. A  aids, o desconsolo, a falta de perspectivas, sua adolescência e juventude. Gritaram nas nossas caras a sua perplexidade e a sua dor. Cazuza, Renato Russo. Coincidentemente mortos, jovens, pela aids.

Vieram os axés, as Kelly Keys da vida, bundas e peitos. Silicone e requebrados.

Hoje há músicos, poetas,  de uma geração que se resgata. Lenine,  Arnaldo Antunes, Zeca Baleiro, Adriana Calcanhoto.

É dela a única música que me serve hoje, intimamente, sem país, sem história e sem memória. Vambora.

 


“Entre por essa porta agora,


e diga que me adora,


você tem meia hora


pra mudar a minha vida...”


 

PS: sei, esqueci um "monte" de bons poetas e músicos. Tudo bem. Ninguém é perfeito!

publicado por Adelina Braglia às 13:03

“ O rendimento máximo recebido pelos 10% de ocupados mais pobres (R$ 201) permaneceu relativamente estável em setembro (-0,2%), tal como observado nos três meses anteriores. O rendimento mínimo dos 10% de ocupados mais ricos manteve-se inalterado em R$ 2.215. Em relação a setembro do ano anterior, houve declínio de 4,6% do valor máximo recebido pelos 10% de ocupados mais pobres e aumento de 4,2% do valor mínimo recebido pelos 10% mais ricos.” http://www.seade.gov.br/pedv98/out05/out2005.pdf “

" O mais recente Atlas Racial Brasileiro, elaborado pelo PNUD (Programa das Nações Unidades para o Desenvolvimento) e pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), revelou que 65% dos pobres e 70% dos que viviam na indigência em 2004 eram negros. Segundo dados do Ministério da Educação, a taxa de analfabetismo entre os negros é de 17,2%, enquanto entre os brancos é de 7,5%.” http://www.pt.org.br/site/noticias/noticias_int.asp?cod=40150

Violência de Raça e Gênero - Raquel Souzas "Mas o que é o racismo? Uma gramática social complexa auxilia a compreender o que venha a ser o racismo. Uma trama social extremamente lapidada socialmente faz com que acreditemos que não existe racismo em nosso contexto. Vivemos sob a égide do mito da democracia racial. Os inúmeros quilombos mapeados por todo o Brasil, mostram que a convivência entre senhores e escravos não foi tão cordial assim. Mas mantemos o mito de que vivemos uma democracia racial como sinônimo de brasilidade”  http://www.koinonia.org.br/tp_detalhes.asp?cod=336#

Os Deserdados do Destino: Construção da Identidade Criminosa Negra no Brasil. 

 http://www.falapreta.org.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=41&sid=6

 

publicado por Adelina Braglia às 08:57

Novembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

14
17

20
21
22
26



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO