" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

01
Dez 07
Quanto eu tinha pouco mais de 5 anos, sofri uma queimadura grave. Naquela época, o tratamento de queimaduras era cruel: foram semanas (ou meses?) de repouso.
 
Para me consolar, meu pai comprou um rádio. Daqueles ovalados, grandes, de madeira. Que ficava ao lado da minha cama. E eu passei a fazer do rádio o companheiro das horas de dor e preguiça.
 
Nele conheci Dalva de Oliveira, Francisco Alves, Izaurinha Garcia. Ouvi muitas novelas! E ouvia sempre Jerônimo, o justiceiro do sertão!
 
Naquele rádio, ouvi a notícia do suicídio de Getúlio. E ouvia, pela manhã e à tardinha, muita música sertaneja, onde a viola era a estrela. E havia o locutor que lia mensagens de amor, e as começava sempre assim: “... meu inesquecível amor...”.
 
Quando fiquei bem das queimaduras, já podia sentar no degrau do quarto de casa, que dava para o quintal. E ali, bem junto ao degráu, estava o pé de anis. Cleide me visitava quando chegava do colégio. A Lula tinha -  quase como imposição da madrinha - que me fazer companhia. A Nena estava livre dessa chatice: já trabalhava!
 
Junto com o cheiro de anis e o som da viola, veio uma enorme saudade delas. E a certeza de que nunca estive tão protegida dos males do mundo quanto naquelas tardes.
Beijo, queridas.
 
 
 
 
 
publicado por Adelina Braglia às 19:09

Querida irmã,

tenho tido muitas lembranças da nossa vida em comum. Elas me tomam de assalto, sem nenhum motivo aparente. Creio que é puro amor e muita saudade. Beijos. Pras três.
Adelina Braglia a 2 de Dezembro de 2007 às 16:10

Dezembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
18
19
20
21

24
25
28

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO