" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

28
Ago 07

 

Tudo que eu amei estava aqui
Do chão batido à cuia de açai
Por isso não cantei Copacabana
Ainda que ela fosse tão bacana
No brilho dos postais que eu recebi.
 
Tudo que eu amei estava aqui
Da mão de milho ao pé de miriti
E assim não falei da Torre Eiffel
Dos perfumes de Chanel
Nem no céu azul no Tenesse
 
Desculpe meu irmão meu canto agreste
Nutrido do jambu que não quisestes
Manchado do tijuco e de capim
Perdoa, por favor, meu pobre verso
Um tosco tronco submerso
No rio sem nome que se vai de mim
 
(Tronco Submerso - Ruy Barata)

 

 

Obrigada, Dulce.

publicado por Adelina Braglia às 07:21

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Agosto 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
16
18

19
21
23
24

26
27
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO