" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

25
Jul 07

 

 

Há pouco escrevi “palavras secas”.
Fiz isto sem pensar.
Era só uma exata vontade de dizer precisamente isto.
Agora penso sobre o que escrevi.
E percebo que sempre pesei as palavras,
 “molhando-as” com compreensão, justificativas, explicações, aspas, etc.
 
Hoje não. Elas saem da boca sem adereços.
E reafirmo: palavras secas.
São aquelas que, cortantes, não têm mais comiseração.
 
E percebo que não gosto de deixar que as palavras ressequem sentimentos.
 
Talvez por isto ande tão quieta.
Talvez por isto escreva cada vez menos.
Talvez por isto me assustasse:
sinto-me seca, para além das palavras.
 
 
publicado por Adelina Braglia às 08:07

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Julho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
19
21

22
23
27
28

29
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO