" Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos na Terra?" (Garcia Lorca)

13
Jul 19

O período 2001/2018 não chegou a ser tóxico. Mas, foi a consagração do “vamos deixar rolar” ou “não to nem aí”.  Agravamos, na visa e na música,  o nosso distanciamento do coletivo. O individualismo, entre as idiotices sertanejas, as pop musics e a invasão do gospel tomaram conta do cenário.

 

 Fomos salvos pelo  rock nacional  e, sempre, pelo Chico, pelo Milton e pelo Edú. Amém!

 

Merece destaque a brecha que as meninas feministas abriram no machismo sertanejo.  Marília Mendonça à frente.  E numa década onde as mulheres mostraram sua cara, encerrar com Elza Soares é uma questão de orgulho e mérito.

 

 

 

 

 

 

publicado por Adelina Braglia às 22:48

12
Jul 19

A década de 1990 foi a dos sertanejos. Eu, particularmente, considero  essa , uma década tóxica. 

Contrapostos aos sertanejos, pouca coisa. Mas, “pouca” com a qualidade dos mais jovens, que furavam o bloqueio dessa enxurrada de mediocridade. Cássia Eller simboliza a década. Atrás dela, vem Adriana Calcanhoto. E Chico, com o seu "Levantados do chão". Mas, se você prestar atenção, já parecíamos entorpecer como  país, depois de três décadas de ditadura.

Vamos daqui (1991) até o início dos anos 2000.

 

 

 

 

publicado por Adelina Braglia às 23:37

Sempre quis escrever a história recente do Brasil, através da música popular.

Fiz agora um breve esboço, que vou, magnanimamente, dividir com você. Mas, falta muito. A memória de quem já chegou aos 70 anos é larga e a música popular brasileira, mais ainda.

Começamos em Getúlio Vargas, o "pai dos pobres", passamos por Juscelino, o pai da classe média feliz, que podia curtir sem traumas a bossa nova, num país que prometia o futuro rico e pujante. 

Nos aproximamos dos anos de chumbo, de aço e  sangue. Passamos por um período de reações onde, sem dúvida, Chico Buarque faz a memória completa, com coadjuvantes.

E, chegamos até 1990. Vivos, o que já é lucro. A segunda fase virá em breve...rssss.

Divirta-se.

 

 

 

 

publicado por Adelina Braglia às 13:54

09
Jul 19

Amores não são moedas. Não é  "cara ou coroa", acopladas num  círculo. Se for para materializar o amor sob alguma forma geométrica, escolho o cilindro. 

 

Torpor e desamor, nessa exata sequência, são mais do que rimas. São o indicativo do fim. Para sobreviver, depois do fim melancólico, há que ter corpo fechado, mente aberta e coração tranquilo. As sequelas do desamor - de des-amar, deixar de amar - machucam quem adoeceu e quem sobreviveu. As causas do des-amar são múltiplas, mas o descuido - des-cuidar - é o principal.

 

É claro que não falo das relações onde  falta o pão. Nessas, como no ditado, quando dois brigam provavelmente ninguém tem razão. A razão está  na dureza da vida, a brutalidade do cotidiano que não permite sutilezas.

 

Ah! Os  instantâneos do amor enquanto dura, são importantes. Sorrisos, tensões, gargalhadas, paixão, choro escondido, lugares, músicas, ternura, raiva, solidariedade. Por isso gosto da forma do cilindro: ali parecem caber os instantâneos, sem ficarem amarrotados. O cilindro dá a sensação de ser um escaninho bem largo na memória. Porque esses instantâneos a gente gosta de guardar, mesmo quando o amor acaba.

 

Não, não sou especialista em relações amorosas. Meu currículo é enxutíssimo. Nunca fui de muitos amores. Fui de poucos. Pouquíssimos, na verdade. Amores mesmo, aos quais se dá esse nome,  só quatro. Dois acabaram graças à minha grande parcela de descuido. Os outros dois a morte me tomou.

 

Agora, ainda que eu queira ser sutil, gentil, quando o amor acaba há estragos. Você envelhece a alma com muita rapidez. Mais do que os estragos que o tempo faz no corpo. E nem deseja mais verdades chinesas. 

 

Esse é para os amores perdidos.

Esse para os amores que me foram tomados.

 

 

 

 

 

 

publicado por Adelina Braglia às 14:53

08
Jul 19

 

Os melancólicos  “cultivam” , além da tristeza profunda, um imensurável sentimento de culpa, que eu sempre identifiquei como arrogância no avesso do espelho da modéstia...rssss. E, embora sejam um poço dessa permanente tristeza, têm muitas crises de tristeza maior. Sim, é possível. Melancólicos são criativos. E não são identicos aos depressivos. Há sutis diferenças.

 

“O diretor de cinema dinamarquês, Lars Von Trier (6), no seu filme “Melancholia”, vê o melancólico como um sujeito em desacordo com as determinações da sociedade, e a melancolia como uma expressão da perda do sentido de vida, concluindo que a melancolia é um indicador de sintoma social. Maria Rita Khel (7) no artigo “Flânerie Bipolar” denomina “Planeta Melancholia” a uma “lua incansável cuja órbita desgovernada está a aproximá-la cada vez mais da terra indefesa até provocar uma colisão devastadora.” Sosseguem, porém, pois sei que a minha “colisão devastadora” não se dará nessa vida. Já chegada nos 70 anos, poderei me abster dela até a colisão definitiva. Mas, há algumas que dóem demais.

 

As crises não são repentinas. Elas avisam a sua chegada. A motivação pode ser variada, desde esquecer de tomar a medicação por alguns dias até o sentimento – sempre ele – de culpa, porque tio Cabral resolveu descobrir o Brasil. Ou  o agravamento do sentimento do mundo, como um retrato na parede, que dói. Ou por tomar consciência de que o país onde você vive  retrocedeu tanto  que você não mais consegue se reconhecer nele. Essa tem sido a principal causa das minhas recentes crises. Ou a inevitável aproximação de mais uma perda.

 

As vantagens competitivas dos melancólicos é que no geral eles não são prejudiciais ao coletivo: trocando em miúdos, usam seu chicotinho contra a própria alma, mas não contra a alma alheia. São inteligentes. E perspicazes.

 

A maior impossibilidade do melancólico é viver o luto. Suas perdas não são superáveis. Seguem-no pela vida, como fossem a segunda, a terceira, a quarta, a quinta pele. Nesse sentido, eu as tenho – como todo mundo, mas o melancólico é doentinho, não se esqueçam disso – como um enorme sobrepeso ao meu peso real, que já é considerável.

 

A primeira e a mais terrível foi a perda do pai. Na sequência, a mãe, a avó. Depois o padrinho querido, o avô, a madrinha amada. Além de muito amados, estes foram esteio do que sou e  da tarefa de ser gente. E os primeiros, os perdi antes dos 22 anos. Daí pra frente, foi porrada...rssss.

 

Com o tempo passando, vieram as perdas de amigos e de amores. Perda física. Morte. Sem metáfora. Caramba! Cada partida arranca um pedaço e você parece uma peneira de dores, que depois passam a ser hematomas, cuja rouxidão não desaparece jamais.

 

Essa nossa conversa hoje me serve de alívio. Porque me preparo para enfrentar mais uma perda. Que não quero, óbvio. Que  só me obrigo agora a lidar com ela, porque não tenho mais certeza de que meu desejo de que a vida seja mantida é justo para com quem quero tanto bem.

 

 

publicado por Adelina Braglia às 13:58

07
Jul 19

Se eu acordasse no Brasil de 2019, após 10 anos de hibernação, pediria "Lona"! Ou, voltar a dormir. Como compreender, no susto, que apesar de Sarney ser Presidente do Senado quando eu dormi, toda a ebulição democrática dos anos que antecederam aquele momento iria para o ralo?

 

A esperança de vida ao nascer não diferia muito da de hoje, mas havia esperança. Ah, como havia. Na música não me lembro de grandes feitos, mas Jason Mraz cantava “I’m yours” e era uma delícia. Chico Buarque dera uma pausa para o Chico escritor e não apresentou nenhuma canção nova nesse ano. Milton Nascimento lançou um remaque maravilhoso, com “Travessia”, “Ponta de Areia” e outras jóias.

 

Guido Mantega mentia para nós: “ Foi a maior crise do capitalismo dos últimos 80 anos. Isso mostra que passamos bem pela crise. Podemos dizer que a economia já deixou a crise para trás", dizendo que, com o crescimento registrado no fim do ano (?), o Brasil fechava 2009 com "chave de ouro". Mas, convenhamos, Mantega era um mentiroso afável. Comparar  Mantega e  Paulo Guedes é de uma inominável crueldade. Guedes é a escória do capitalismo bruto, da subordinação estúpida ao financismo mais truculento. Mantega era apenas mentiroso.

 

 Convenhamos que algumas sementes do mal já estavam plantadas: o Estado que só penaliza crescia e  a precarização do trabalho – desde o famigerado governo Collor – fincava raízes fortes. Mas, tínhamos esperanças. Tínhamos, sim.

 

Em 2009, éramos flagelados aqui no Pará pelo governo Ana Julia, uma medíocre conjunção de incompetência, arrogância e inépcia petista, jamais vista no Brasil. Fomos campeões! A prova visível disso é que duas décadas se passaram e  Ana Júlia jamais se elegeu para absolutamente nenhum cargo ao qual se candidatou. Mas, apesar disso, tínhamos esperanças. Tínhamos, sim.

 

Luiz Inácio governava o Brasil, dessa vez sem o meu voto. Encerrei minha longa carreira votando nele em 2002. Em 2006 eu já sabia que o “operário” chegara ao poder, mas a classe operária estava bem depois da manutenção dos fortes interesses do sistema financeiro e das políticas econômicas neoliberais mantidas e aprimoradas, apesar do discurso “revolucionário”.  Ah, houve avanços do ponto de vista do consumo. Mas, conservávamos a esperança. Ainda tínhamos, sim.

 

A única tragédia de 2009, foi perdermos o Juca. Saravá, Juvêncio Arruda!

 

Acordar num Brasil governado por filhos da sífilis – outra hora explico a gravidade disso, desde as sequelas da doença real, entre homens que não respeitam as mulheres, até o que de simbólico quero dizer com isso – quadrilhas de milicianos, bancadas de deputados vinculados a crimes de toda ordem. Crimes mortais contra pessoas, crimes contra direitos individuais duramente conquistados antes e depois de eu hibernar, crimes contra o meio ambiente, crimes contra a infância, a adolescência e a velhice.

 

Escolhi 2009, ao acaso, só para arredondar 10 anos. 

 

publicado por Adelina Braglia às 09:40

26
Jun 19

Alguns anos de interrupção, umas brechas aqui e acolá, e chegamos a um Brasil inimaginável, governado por um grupo de milicianos, composto por militares sem compromisso algum com a "patria", por ministros que não têm respaldo interno ou externo, chucros e bandidos que são. Somos governados por um louco com convicções racistas, homofóbicas, misóginas, xenófobas. Se tivessemos planejado, não teríamos tido tanto exito.

Mas, de certa forma, planejamos. Planejamos ao acreditar que a chegada do operário ao governo era a  vitória da classe operária e fizemos vistas grossas à manutenção dos privilégios dos rentistas, da supremacia do sistema financeiro e esquecemos que distribuição de renda nem é muito difícil, desde que não mse mexa nos privilégios da riqueza.

Aceitamos que a cooptação do movimento sindical e do movimento social era "justificável" e as organizações trabalhistas  estudantis  que antes eram parãmetro de luta, se acachapassem à verdade absoluta do governo "dos trabalhadores".

Se antes o "neoliberalismo" de FHC podia ser atacado frontalmente, o "pósliberalismo" petista foi  perdoado, graças à atenção aos desvalidos. Ignoramos porém a armadilha da substituição da luta por direitos e cidadania, em troca da possibilidade de sermos  - ó glória! - "consumidores". E, durante anos, nos bastamos nisso.

Quando o pano caiu - bem sujinho, pois se a corrupção não foi inventada pelos lulistas, foi por eles apropriada e "democratizada" entre os seus -  estávamos zonzos: arrogantes, achamos que a democracia era imbatível. Soberbos, imaginamos que as "forças populares e democráticas" barrariam o fascismo chinfrim que se anunciou da maneira mais infame e que foi vitorioso.

Agora? Continuamos amortecidos pela derrota anunciada mas, "inesperada". Ainda buscamos, como pequenos burgueses que somos, o ídolo, o "papi noel", e, enquanto isso, nos engalfinhamos em mesquinharias por protagonismos de uma luta que dificilmente vamos unificar, posto que somos mesquinhos e que a generosidade política não é mais nossa vocação.

Agora? Música, Maestro, porque pelo menos é preciso cantar:

 

 

 

publicado por Adelina Braglia às 15:42

22
Jun 19

De volta ao começo, embora Travessia já não seja mais uma criança.

Carrega consigo alguns anos de impressões, amarguras, risos, avaliações ingênuas ou ácidas. Serve  a mim, mais do que a qualquer um. E, por isso quero tê-lo de volta.

E aqui estamos, o Blog e eu. 

E sempre a música. Sempre. Sem ela, não respiro.

 

 

publicado por Adelina Braglia às 23:34

23
Mar 15

Ouvi hoje o Concerto de Reencontro do Quilapayun.

 

Memórias de um  tempo em que acreditávamos tanto! Cada um a seu jeito sonhávamos um país feliz. Não, não bastava um país melhor (?)ou  justo: era fundamental sermos felizes.


Em 1995, estava em São Paulo e conversava com um amigo sobre aqueles “novos tempos” que estávamos vivendo. Ele, como eu, remanescente de um tempo onde o inimigo declarado era combatido com todas as forças. E ele disse, profeticamente: “O problema, Adelina, é que hoje não sabemos  quem é o inimigo, porque estamos cercados de pequenos canalhas”.

 

Em 1996 retornei ao Pará. A sensação era de que em poucos quatro anos – período em que fiquei em São Paulo – havia se alargado o fosso entre a civilidade e/ou cidadania, e nós.  O Brasil “real” continuava à deriva, refém dos planos e projetos exógenos a todo e qualquer desenvolvimento local. Agravaram-se nossas condições de quintal do país e do mundo. Ergueu-se a bandeira da  defesa da Amazônia e pasteurizados sob essa insígnia, vamos caminhando dolorosamente para uma pré-história do direito e da civilização.

 

O Concerto de Reencontro do Quilapayun tem, entre outras canções maravilhosas, “Te recuerdo, Amanda”, relembrando Victor Jara. A música é um momento da  história de Amanda que corre ao encontro do amado, Manuel,  mas que ela não voltará a ver, eis que ele “... partió a la sierra, que nunca hizo daño, que partió a la sierra y en cinco minutos quedó destrozado.Suenan las sirenas de vuelta al trabajo, muchos no volvieron, tampoco Manuel...”

 

Nossos manuéis chamam-se Raimundo, José, Sandoval, nossas amandas são Maria, Francisca, Josefa. Seus homens não morrem de forma tão gloriosa: são esmagados silenciosamente por uma árvore, afogados num naufrágio. As amandas também perecem, nas ruas, nos campos ou nos hospitais.

 

Se chegar um novo tempo e  vocês conseguirem dar cabo dos pequenos canalhas, cantem uma canção por mim.

 

publicado por Adelina Braglia às 18:03

04
Jan 15

De volta ao blog numa travessia sem muitos músculos adquiridos - a idade já não favorece! - mas respirando melhor.

 

2015 tem cheiro e dados de 1998, com alguns milhões de brasileiros a mais, cheios de esperança. Saravá!

 

Nessa casca sexagenária, olhos de vinte e poucos anos enxergam o mundo com desfonfiança na nossa capacidade em escolher a trilha civilizatória e não a da barbárie, desde a mais brutal à mais sofisticada. É certo que entre o olhar de vinte e poucos anos e a realidade dos 65, alguns medos foram vencidos, um ou outro anseio superado, meia dúzia de desejos realizados e várias expectativas resolvidas, ainda que umas pela metade. Mas uma  imorrível (gostaram) e estúpida esperança persiste.

 

Ainda assobio canções na rua ou nos corredores, vício juvenil, que hoje provoca estranheza em quem cruza comigo e me faz, às vezes, assumir a censura e engolir o assobio. Mudei alguns conceitos sobre a bondade humana, mas acredito que ela pode ser plantada e cevada pelos controles sociais. Uma enorme revisão da teoria de Rousseau, que cultuvei por décadas, reconheço.

 

 

 

publicado por Adelina Braglia às 11:50

Julho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO