Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Agosto 2005

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031


Pesquisar

 


Somos todos irmãos?

Segunda-feira, 01.08.05

Aprendemos desde sempre que o nosso país é formado pela miscigenação das raças. Louvamos a herança negra – a feijoada, o batuque, a afro-religiosidade dos terreiros. Somos condescendentes com  tudo aquilo da herança negra que circunscreve o exotismo ou o folclore. Esquecemos, porém, de contar nos nossos livros de história que o Brasil foi o último país a abolir a escravidão, que 40.000 negros morreram “apenas” nos navios negreiros, que a nossa escravidão durou oficialmente 352 dos nossos 505 anos de existência.


Esquecemos também de informar que a mão de obra negra foi indispensável na construção da riqueza do Brasil colonial, do Brasil republicano, do Brasil industrial  e deste Brasil chinfrin pós-neo liberal, onde cada vez mais o salário médio do homem e da mulher negra está muito abaixo da média salarial do homem e da mulher branca.


Confundimos, os homens e mulheres de boa vontade, a questão racial com a questão econômica, e acabamos referendando, com nossas “boas intenções”, o mito do Brasil desigual pela renda, mas não-racista.


Assim, contribuímos para que o racismo à brasileira nascesse e fosse cevado com a marca da cordialidade. E nos descobrimos muito mais cruéis do que os grandes irmãos do norte, pois que aqueles, quando aboliram a escravidão, garantiram a cada negro 40 acres de terra e uma mula (não por acaso, o nome da produtora de Spike Lee) e os nossos escravos “libertos” em 1888, receberam a miséria como doação, impedidos que estavam de serem considerados cidadãos, pela Lei de Terras, aprovada 33 anos antes da libertação.


O racismo à brasileira é assim: cruel, disfarçado, hipócrita e “cordial”, alimentado pela teoria da miscigenação. Que é real, concretíssima, num país onde 42% dos brasileiros são pretos ou pardos. Mas, afinal, não somos todos tão irmãos assim....

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 16:11


Comentários recentes

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...

  • Adelina Braglia

    Amém! Beijo.

  • Marga

    Querida, bom lhe ter de volta aos textos que retra...