Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Agosto 2005

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031


Pesquisar

 


Sobre mangas e laranjas-da-terra.

Terça-feira, 02.08.05

Minhas lembranças da infância e da juventude são sempre pródigas em cheiros, cores, sabores e sons.


Os potes coloridos das compotas da casa da minha avó, guardados num quarto que servia de despensa. Alguns amarelos como os das mangas, outros verdes clarinho, como os dos doces de mamão. Minha mãe preferia os verdolengos potes de doce de laranja-da-terra.


A chave da despensa, minha avó a carregava amarrada à cintura, presa num fio de barbante. Cada vez que a avó abria aquela porta, pareciam abrir-se portas do paraíso!


Meu avô com seu inconfundível chapéu e seu cigarro de palha - esse cheiro entrava na minha narina e deixava a sensação de que o avô era único – aprendeu a ler aos 60 anos e orgulhava-se de faze-lo sem óculos.


Meu pai era muito alto. Quase dois metros. Parecia proteger-me do mal, apenas pelo tamanho. Usava em casa um macacão. Às vezes cinza, às vezes azul. Assava no forno os famosos bolinhos baianos, que nenhum dos filhos sabe fazer. Cozinhar para ele era diversão e arte.Com ele aprendi a beleza da música, a importância da leitura, a necessidade da condescendência e o prazer da solidariedade. E, lógico, a delícia de achar que comer é mais do que alimentar-se.


Com todas as minhas ânsias da infância e da adolescência, enquanto ele viveu, o mundo parecia estar sob o seu controle. A morte do pai trouxe um estranho vazio à vida, e a consciência de que esse Dom Quixote doméstico era só uma boa fantasia.


Lembranças doces e ácidas. Tal qual as compotas de manga e as de laranja-da-terra.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 23:32

2 comentários

De Paulo Soares a 04.08.2005 às 17:23

“Perdão, Adê:no comentário há um equívoco que muda o sentido do parágrafo. Por favor, faça a correção: onde se lê brinca, leia-se brinda.
Fui induzido ao erro pela boca cheia d’agua!”

De Paulo Soares a 04.08.2005 às 12:40

" Que delícia essa saudade que você me provocou. Todos que tiveram vós, com suas casas modestas, floridas, com comidinhas caprichadas e guloseimas do céu, babam dessas recordações.
Quanto aos Quixotes da nossa infância,objetos de nossa suprema admiração e respeito, realmente eram os condutores da nossa irresponsabilidade. Cabeça fria e ingênua nos fazia um bem!Né,não?
Discordo apenas da qualificação de fantasia a quixotesca existencia do paizão.
Não, Adê, não era fantasia. Era a nossa infantil verdade, que ainda hoje nos brinca com a nostalgia do passado quando temos nossos momentos de insegurança e instabilidade.
Parabéns pelo recuerdo! Adorei!
Umas raspas de bolo da vovó para você.

Comentar post



Comentários recentes

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...

  • Adelina Braglia

    Amém! Beijo.

  • Marga

    Querida, bom lhe ter de volta aos textos que retra...