Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



foto do autor


calendário

Agosto 2005

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031


Pesquisar

 


Limonada purgativa.

Segunda-feira, 08.08.05

Um dia, quando criança, minha mãe inventou de nos dar limonada purgativa. Na verdade, um trem amargo pra caramba, comprado na farmácia, numa garrafinha até simpática. Segundo a mãe, aquilo era milagroso: limpava intestinos, estômago e o que mais houvesse em nossos corpos de criança (meus irmãos e eu). Dizia ela: isso vai purificar o sangue! E nós nem sequer protestávamos, pois que parecia mesmo milagrosa essa coisa de limpeza do sangue!

Lembrei dessa história hoje porque filosofava com a analista sobre os meus conflitos profissionais, por acatar ao longo da vida o que a luta política nos revela e impõe, sempre em nome de uma grande causa, tipo: o fim justifica os meios, o objetivo principal é que tem que ser alcançado, e até mesmo “quem tem boca vai a Roma”, embora o camarada Stalin talvez nunca tenha dito isso!

Essa minha rotineira crise de auto-crítica, é costumeira. Penso que nasceu comigo, desde a infância, quando eu me sentia já tão onipotente que achava que as borboletas morriam porque eu não lhes havia prestado a devida atenção.

Mas, de volta à auto-crítica, embora a prática do centralismo democrático nos tenha acachapado quanto à crítica individual - auto-crítica só vale se for coletiva! - eu, sempre um pouco indisciplinada, fazia a minha, ainda que às vezes me trancasse no banheiro e apenas murmurasse minhas culpas ( ou pecados?). Se bem que isso de trancar-se no banheiro tem mais a ver com os ensinamentos do colégio religioso do que com a formação para a militância.

Por que me veio à cabeça a limonada purgativa? Porque enquanto saia do consultório pensava que devia existir uma limonada purgativa para a alma. Daquelas que minha mãe nos dava e que purificava o sangue. Uma limonada pra purificar a alma – que essa “alma” seja entendida não no sentido religioso, pois que ao longo do tempo perdi a fé e a noção de céu e inferno tornou-se uma barafunda! - e que me permita deitar sem insônia, me certifique que tudo vai dar certo no fim. E que eu me convença, pelo seu poder milagroso, que, se ainda não deu certo, é porque não chegamos ao final!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 20:23

3 comentários

De Paulo Soares a 10.08.2005 às 12:42

" Ah!... a limonada Bezerra! Que lembrança você me trouxe daqueles dias malditos. Na purificação do sangue, Adê, tinha também um pouco da purificação da alma. Como sofríamos! Pagáva-mos pelos pecados do passado e do futuro - pelo menos eu entendia assim. Posáva-mos de fanáticos islâmicos sem conhecer Maomé.
Acho que hoje a limonada é a política do Brasil: tantos limões podres em água poluída e sem açúcar. Não temos nem o consolo de poder puxar a descarga!
`A propósito, depois de ouvir o Carequinha ontem na CPI dizer que está com a vida desgraçada, que não tem mais nada, que deve muito e que vai vender bananas, senti uma imensa angústia pelo futuro dos macacos.
Que tal criar um Blog de apoio ao distinto? Poderíamos conseguir corretores honestos para legalizar seu imenso patrimônio aqui e lá fora. Talvez também gerentes financeiros competentes para aplicação dos seus milhões nas Cayman.
Enfim, num gesto caritativo, conseguir adesão de votos para elegê-lo deputado federal ano que vem e, quem sabe, vê-lo de banco trocado numa outra CPI.
É o que nossa política merece!"

De Bia a 09.08.2005 às 20:52

Ademar, tão boa a sua visita! Um abraço também.

De Ademar a 09.08.2005 às 11:52

Que continues a deitar-te sem "insônia", convencida de que tudo vai dar certo no fim...
Um abraço de muito longe e tão perto.

Comentar post



Comentários recentes

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...

  • Adelina Braglia

    Amém! Beijo.

  • Marga

    Querida, bom lhe ter de volta aos textos que retra...