Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Agosto 2005

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031


Pesquisar

 


Agridoce.

Terça-feira, 16.08.05

Dois tópicos agridoces:

 1 – o coletivo

 Assisti ontem a uma rápida entrevista do Senador Aluízio Mercadante. Sereno, ponderado, comentava a crise do PT. Opinou sobre as medidas inadiáveis no âmbito do Partido e do Governo: a necessária punição de todos os culpados, a urgência da reforma política dando transparência aos financiamentos de campanha e a garantia de instrumentos de controle do cidadão sobre as campanhas e sobre os compromissos dos candidatos com setores que eventualmente eles representem.

Gostei do que ouvi, pareceu-me tão claro e lógico o que o senador propôs. Resta saber se assim será. Fica também uma pontinha de dúvida: porque ninguém ouviu o senador antes? Porque o PT renegou o que o consolidou como inovação na política?

Tenho cá uma explicação, genérica demais, é verdade: o PT arrogou-se o direito de transformar a corrupção em fim que justificava os meios. Ou seja: corrupção na mão dos outros era roubo. Nas suas, era missão.

2 – o individual

Tenho a segurança do afeto, da compreensão permanente que recebo,

da tolerância para com as minhas loucuras, com as minhas idas e vindas.

Tudo é tão sólido que quero chamar a isso de amor.

Ouço o que preciso, e não necessariamente o que quero ouvir.

Depois, tranquilamente, concordo que eu não tinha razão.

Durmo e sonho com o que não me lembro,

mas, hoje isso não me angustia.

Acordo e não me sinto mal.

Confundo o efeito do anti-depressivo com esse bem estar de agora,

e questiono se é o comprimido ou o carinho que me faz bem.

Sei com quem dividi meus sonhos coletivos

e com quem divido agora minha aflição.

E tenho certeza de que sempre terei a sua companhia.

E sinto-se bem por não estar só nessa estranha travessia,

da margem da ilusão de outrora para essa nebulosa margem que hoje se apresenta.

E escrevo essas coisas, feito tonta,

e me angustio pra responder se isso é amor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 09:26

2 comentários

De Bia a 16.08.2005 às 17:16

E acho que você exagera nesse seu amor. Beijão. Céu azul, sem nuvens, por aqui. À tardinha esfria, como você bem sabe. Inté.

De MAUBORU a 16.08.2005 às 14:39

ISTO NÃO MAIS É UM VEIA MAS SIM UMA ARTERIA POETICA, ACOSTUMADO A LER SEUS TEXTOS POSSO DIZER COMO FÃ NUMERO 0000000000001 QUE, VC SE SUPEROU EM DELICADEZA E BELEZA BJS DO PIUI

Comentar post



Comentários recentes

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...

  • Adelina Braglia

    Amém! Beijo.

  • Marga

    Querida, bom lhe ter de volta aos textos que retra...