Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



foto do autor


calendário

Março 2006

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Pesquisar

 


Bem a propósito...

Sexta-feira, 24.03.06
" Sexta-feira, Março 24, 2006
Quaresma XXIII

Isto não é especialmente verdade, nem está especialmente bem escrito, nem é especialmente novo...

«Descobri que a diferença principal entre os bairros pobres e a baixa, é que as pessoas são mais verdadeiras nos primeiros. Suponho que não têm outro remédio. Aí uma prostituta é uma prostituta; um chulo é um chulo; um ladrão é um ladrão; um maricas é um maricas; um filho da mãe é um filho da mãe.
Na baixa era diferente – mais complicado. Uma prostituta por vezes era uma senhora de sociedade; um chulo podia ser um dandy; um ladrão podia ser um executivo; um maricas podia ser um playboy; um filho da mãe era uma pessoa desajustada e com problemas.

... mas é da ‘autoria’ de alguém que está por detrás duma das vozes mais singulares que se podem ouvir, e que, mesmo não sendo tão brilhante como o padre António Vieira, ainda ‘disse’...

«Naquela altura as pessoas ficavam admiradíssimas se vissem um branco com uma negra e hoje em dia continua tudo na mesma...podia tratar-se de Marian Andersen com o seu agente; ou uma bailarina com o seu chulo. Não interessa que aspecto tinha o casal, mas os filhos da mãe achavam que se estivessem juntos era só por um motivo. Talvez fosse, talvez não fosse. Mas se não fosse era o mesmo que ser , porque ninguém acreditava(...)
Isto torna a vida uma chatice permanente(...) pode-se lutar, mas não se pode vencer.
A única altura em que vivi livre disso foi quando era prostituta e tinha fregueses brancos. Ninguém nos chateava. As pessoas perdoam tudo o que for preciso se for para ganhar dinheiro.»

...Billie Holiday na sua 'biografia ditada'- ‘Lady sings the blues’ (1992, ed Antígona, pg 115, 125) e aparentemente controversa. Menos controversa será a sua voz gemida, que, como José Duarte refere no prefácio :«não deixou descendentes nem discípulos».
E talvez um dia eu ainda comece a escrever mais sobre bola. Hademver."

(roubado de "antonio": http://opiniondesmaker.blogspot.com/)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 07:39

1 comentário

De mixtu a 24.03.2006 às 16:26

eu acredito que se pode vencer
jinhos

Comentar post



Comentários recentes

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...

  • Adelina Braglia

    Amém! Beijo.

  • Marga

    Querida, bom lhe ter de volta aos textos que retra...