Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Abril 2006

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30


Pesquisar

 


Às vezes.

Segunda-feira, 24.04.06

Eu fumo muito e bebo pouco.

Não consigo ter a convicção da existência de Deus,

embora, às vezes, reze para o anjo da guarda para que proteja meus filhos

e quando faço isto reconheço em mim uma incongruência.

Mas, como tenho tantas, esta nem sequer me incomoda muito.

Convivo com muitas pessoas que parecem personagens saídas da minha imaginação

se acaso eu tivesse uma imaginação tão criativa!

Mas, reconheço que se convivo com elas, é porque as amo, do jeito que são,

embora perceba em mim, às vezes, muita vontade de que elas mudem.

Para melhor, segundo o meu desejo de que elas sejam

como eu gostaria que fossem!.

Faço análise e tomo antidepressivo.

Nem por isso me considero maluca, embora, às vezes,

me tema, por imaginar que a vida é trailer  e que o filme ainda está por vir.

Amo apaixonadamente e odeio com alguma moderação,

embora, às vezes, tenha que conter a raiva com as mãos.

Tentei ser esquerdista e esforcei-me dedicadamente para cumprir meu objetivo.

O melhor que consegui foi ser “reformista”,

daqueles que acreditam poder mudar as estruturas “por dentro”,

embora, às vezes, olhando meu país em 2006,

tenha algumas recaídas e me pegue pensando

que a guerrilha poderia ter sido uma ótima alternativa!

Com certeza, alguns personagens que usaram a história para enfeitar seu perfil,

poderiam ter sido bons para roçar juquira nos canaviais!

Hoje me contento em assumir com tranqüilidade

que o que me mobilizou, na verdade,

não foi a minha força ideológica nunca cumprida,

mas a compaixão pelo sofrimento do outro

e que não me angustio mais em definir minha “vocação”.

Acredito, sim, na política e nos políticos decentes

e sou capaz de nomear alguns compromissados com o seu país.

 Procuro perceber os indicativos de uma mudança na América Latina,

e os comemoro, mesmo que venham no rebojo das águas

o falso “nacionalista” ou o populista “bem intencionado”.

Mas, não me convidem a votar em ninguém esse ano.

Quero anular meu voto, como direito de cidadania.

Repito que amo a música e a minha neta Beatriz.

Ela tem seu nome ligado a uma linda canção

e a uma maravilhosa amiga.

Confesso meu cansaço, embora, às vezes, eu amanheça com o vigor da infância

e com a disposição de sonhar, como eu a tinha na juventude.

Mas hoje não. Hoje amanheci com a intensidade e o peso dos meus 56 anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 11:45

3 comentários

De Bia a 04.05.2006 às 16:23

Caramba, querida Maíra! Acho que desde o início do blog, você é a minha melhor surpresa! Beijo grandão!

De Mara a 04.05.2006 às 12:40

Oi tia!!! Adorei o texto, ele até mata a saudade de tanto que te reflete. Venho passear por aqui de agora em diante. Beijos bem grandes.

De Paulo Soares a 28.04.2006 às 20:52

" As vezes me dá um branco e desapareço. De repente, sinto uma falta deste BLOG e retorno, meio desanimado. Aí me deparo com este texto autobiográfico e envolvente. Ele me extasia pela sinceridade e pela similaridade -somente vista por outros- com a vida de muitos autores/compositores/artistas.Profissões que o Brasil varonil da ditadura tanto reprimiu. Não deplore a idade, cara amiga, ela lhe trouxe a vivencia e a experiencia para você entender seus próprios pensamentos e conflitos.
Considere-se uma artista em recesso. Não por desejo próprio, mas pelas contradições da própria vida de artista.
Para sanear sua angústia reprimida, lembre que ter amigos - do peito - é uma forma de arte. Não a tradicional, mas aquela que jamais permitirá a chegada da solidão.Nunca!"

Comentar post



Comentários recentes

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...

  • Adelina Braglia

    Amém! Beijo.

  • Marga

    Querida, bom lhe ter de volta aos textos que retra...