Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2006

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031


Pesquisar

 


A dor, de novo.

Terça-feira, 23.05.06

Aí ao lado, Mercedes Sosa canta a inevitabilidade da mudança. Minha querida Samartaime com certeza não a manteve aqui, cantando e cantando, a propósito! Mas, as mudanças estão aí, batendo no meu nariz, e com fundo musical! Que embala há dias meu lamento inútil de mãe.

Não, o que me assusta não é a mudança em si. É o pavor de reconhecer que meu amor foi tão soberbo e tão egoísta que o custo é tão elevado que é quase insuportável.  E não adianta afirmar que racionalmente eu sempre soube disto. A história, a vida, os sentimentos, mudam e mudam. Pela dor ou pelo amor. O que o racional não faz é aceitarmos que nunca os controlamos, o amor, suas delícias e suas dores.

Por isso, cá dentro da alma, sempre quis ser a grande controladora,  das grandes ou pequenas coisas. Afinal, os arrogantes contentam-se até com as liquidações!

Na juventude, pensava controlar os destinos da revolução e os do meu amor. Na idade madura dediquei-me a querer controlar a felicidade e a dor dos filhos. Ah! Estes tinham por obrigação sair pelo mundo felizes, maravilhosamente felizes, graças à poderosa mãe.

Minha receita foi o amor incondicional, no seu pior sentido, pois aprendi com o pai que amor em excesso não mata. O que mata é a falta dele, pois o excesso a vida toma, e a falta ela não repõe. Só que na receita do pai havia o tempero da mãe e da sua dureza e os seus limites pra lá de rígidos e até injustos, porém, limites.

Eu não: presunçosa e comodamente, segui só a receita do pai. Amor, amor, como se amor fosse o céu de algodão doce, dos livros babacas de ursinhos e fadas da infância. O meu foi o amor permissivo, que destrói o ânimo, que não leva ao céu, nem mesmo o céu idiota que eu imaginava.

Sofremos hoje, meu filho e eu, o resultado desse plano macabro de achar que as mães têm o poder de fazer os filhos felizes. Deveria ter me lembrado de Cazuza – só as mães são felizes!

A dor e suas causas! Acho que ainda não as coloquei aqui. Aliás, a causa, sim, esse meu amor egoísta. As conseqüências o filho as carrega: usuário de drogas, aos 20 anos, recusa a lógica da doença, pois com a mãe arrogante “aprendeu” que controla o mundo e suas adversidades.

Porque escrevo isso aqui? É o vício da presunção: quem sabe entre os parcos leitores, haja quem ainda duvide que o amor sem limites dói tanto quanto a falta dele. Que não saiba que o amor só faz sentido se for generoso a ponto de não ser guiado pelos desejos de quem acha que sabe fazer o outro feliz e que o outro seja obrigado a viver o que nós pensamos que é felicidade. Ou ser feliz pelos nossos desejos.

Os filhos precisam aprender a viver, aprendendo. Nosso script às vezes é uma farsa. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 08:35


Comentários recentes

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...

  • Adelina Braglia

    Amém! Beijo.

  • Marga

    Querida, bom lhe ter de volta aos textos que retra...