Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Setembro 2009

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930


Pesquisar

 


Queluz, Bahia, Amazônia.

Domingo, 20.09.09

 

 

 

 

 

Achei esse vídeo de Noel e grupo Tangará. “Vamos voltar pro norte”, é a canção.

 

Lembrei que para paulistas e cariocas, há trinta anos, quando se ultrapassava Queluz, tudo era Bahia e esse tudo, era o 'norte'. Pejorativamente, chamava-se todo  migrante de nortista ou baiano, fosse ele de Pernambuco, Sergipe ou Rio Grande do Norte. O " nordestinos", como generalização, veio depois.

 

Hoje não é mais assim. Afinal, já dispomos de informações que permitem aos sulistas uma visão mais acurada sobre a divisão entre “norte” e “Amazônia”, essa híbrida e cobiçada floresta!

 

Um dos problemas, porém, é que sob a griffe Amazônia, tão festejada pelos brasileiros do centro-sul, estamos nós, afogados na névoa densa e verde. Diferenças sócio-econômicas-culturais como as que existem entre Acre e Amazonas, Amapá e Pará, são para eles irrelevantes. Afinal, ainda que a geografia seja muito favorecida pelo Google Earth, filosoficamente ainda depois de Queluz é Bahia e da Bahia pro lado, é mato.

 

Talvez por isto eu tenha uma irritação enorme quando se fala em Amazônia, reforçando a imagem pasteurizada de coisa homogênea. E por Ito também não tenho a menor simpatia ou comoção pela expressão “povos da floresta”. Povos da floresta, para mim, são os sacis, os matinta-perêras.

 

Nós, os que vivem na Amazônia, somos castanheiros, seringueiros, cientistas,  lavradores, engenheiros, pescadores, médicos, artistas, filósofos, garçons  e todos esses bichos que também vivem por lá, onde insistem em defender-nos de nós mesmos. Assim como lá também estão os caiçaras - nossos ribeirinhos - povos indígenas e comunidades quilombolas. Que, como aqui, não se diferenciam pela geografia. Nos diferenciamos por  outros motivos, que a densa e verde névoa não poderá jamais disfarçar. Ou esconder.

 

Quem sabe essa não é uma intrigante história da carochinha da tragédia nacional.

 

 

 


Fui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 19:54


Comentários recentes

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...

  • Adelina Braglia

    Amém! Beijo.

  • Marga

    Querida, bom lhe ter de volta aos textos que retra...