Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



foto do autor


calendário

Junho 2006

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930


Pesquisar

 


"...Alvoroçai-me, auroras nascituras!" ou chororô matinal!

Sábado, 03.06.06

Pois é. Foi esse o verso que amanheceu comigo e como não me lembrava dos demais, fui em busca da poesia completa. A brusca poesia da mulher amada III, Vinícius de Moraes.

Auroras nascituras! Só mesmo um grande poeta para fazer palavra tão feia - nascituras! - encher-se de beleza e significado para além do concreto sentido.

Mas, eu aqui fico tentando entender porque raios acordo com um verso na cabeça que não faz, de imediato, sentido algum. Ao ir buscar o poema completo, começo a perceber que essa amanhecida sensação de querer alvoroçar-me com as auroras nascituras tem a ver com as conversas de ontem a noite, com a irmã e a amiga, no bar onde a música perturbava bastante, mas que uma mesa debaixo das árvores e um pouco afastada da dupla cantora, nos permitia filosofar e rir sobre perdas e danos!

Tem a ver também com a clareza dos últimos dias de que meu desejo é aprender a só ser, como disse nosso péssimo ministro da cultura e grande compositor, Gilberto Gil. E, mais do que com o verso bombástico com que abro o post, parece que as auroras nascituras vão me chegar, se eu deixar de pedir permanentemente que

Minha mãe, alisa de minha fronte todas as cicatrizes do passado
Minha irmã, conta-me histórias da infância em que que eu haja sido
herói sem mácula
Meu irmão, verifica-me a pressão, o colesterol, a turvação do timol, a
bilirrubina
Maria, prepara-me uma dieta baixa em calorias, preciso perder cinco
quilos
Chamem-me a massagista, o florista, o amigo fiel para as
confidências
E comprem bastante papel; quero todas as minhas esferográficas

pois já estou suficientemente crescida - nos dois sentidos, cá no meu quase metro e oitenta! - para  saber

que carrego cicatrizes que mesmo se afagadas serão sempre cicatrizes,

que minha irmã e o mundo sabem que jamais fui heroina sem máculas e a meia dúzia de três ou quatro pessoas que me amam convivem muito bem com isso,

que meu irmão verifica tudo isto quando, ao telefone, com voz amorosa, diz " se cuida, irmã",

que os quilos a perder estão sendo perdidos sem sofrimento,

que os vendedores de cor e beleza estão por aí se eu os quiser,

que amigos fiéis eu os tenho, com uma fidelidade tão canina que os faz relevarem minhas idiossincrasias

e que hoje, o fantástico papel almaço e as esferográficas BIC, estão aqui, travestidos em tela e mouse, embora não com o mesmo sabor.

E que, voltando ao grande Vinícius,

..." Porque hoje é Sábado,

desejarei escrever novamente o poema sobre o dia de hoje,

sentindo a antiga perplexidade diante da palavra escrita em poesia

e como dantes, levantar-me com medo da coisa escrita

e ir olhar-me ao espelho para ver se eu era eu mesmo..."

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 08:56


Comentários recentes

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...

  • Adelina Braglia

    Amém! Beijo.

  • Marga

    Querida, bom lhe ter de volta aos textos que retra...