Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



foto do autor


calendário

Março 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031


Pesquisar

 


Num novo tempo...

Segunda-feira, 23.03.15

Ouvi hoje o Concerto de Reencontro do Quilapayun.

 

Memórias de um  tempo em que acreditávamos tanto! Cada um a seu jeito sonhávamos um país feliz. Não, não bastava um país melhor (?)ou  justo: era fundamental sermos felizes.


Em 1995, estava em São Paulo e conversava com um amigo sobre aqueles “novos tempos” que estávamos vivendo. Ele, como eu, remanescente de um tempo onde o inimigo declarado era combatido com todas as forças. E ele disse, profeticamente: “O problema, Adelina, é que hoje não sabemos  quem é o inimigo, porque estamos cercados de pequenos canalhas”.

 

Em 1996 retornei ao Pará. A sensação era de que em poucos quatro anos – período em que fiquei em São Paulo – havia se alargado o fosso entre a civilidade e/ou cidadania, e nós.  O Brasil “real” continuava à deriva, refém dos planos e projetos exógenos a todo e qualquer desenvolvimento local. Agravaram-se nossas condições de quintal do país e do mundo. Ergueu-se a bandeira da  defesa da Amazônia e pasteurizados sob essa insígnia, vamos caminhando dolorosamente para uma pré-história do direito e da civilização.

 

O Concerto de Reencontro do Quilapayun tem, entre outras canções maravilhosas, “Te recuerdo, Amanda”, relembrando Victor Jara. A música é um momento da  história de Amanda que corre ao encontro do amado, Manuel,  mas que ela não voltará a ver, eis que ele “... partió a la sierra, que nunca hizo daño, que partió a la sierra y en cinco minutos quedó destrozado.Suenan las sirenas de vuelta al trabajo, muchos no volvieron, tampoco Manuel...”

 

Nossos manuéis chamam-se Raimundo, José, Sandoval, nossas amandas são Maria, Francisca, Josefa. Seus homens não morrem de forma tão gloriosa: são esmagados silenciosamente por uma árvore, afogados num naufrágio. As amandas também perecem, nas ruas, nos campos ou nos hospitais.

 

Se chegar um novo tempo e  vocês conseguirem dar cabo dos pequenos canalhas, cantem uma canção por mim.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 18:03


Comentários recentes

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...

  • Adelina Braglia

    Amém! Beijo.

  • Marga

    Querida, bom lhe ter de volta aos textos que retra...






subscrever feeds