Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



foto do autor


calendário

Maio 2007

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


Pesquisar

 


Roteiro de entrevistas.

Quarta-feira, 30.05.07

 

Assisti a entrevista do rabino Henry Sobel, sobre o roubo praticado por ele no final de março, numa loja em Palm Beach, de onde surrupiou algumas gravatas. O fato foi fartamente explicado à época, como resultante de um surto medicamentoso que o rabino sofreu.
 
O rabino Sobel é uma figura pública sempre respeitada pela sua posição na luta pela democracia no Brasil, nos anos de chumbo da ditadura. É figura presente em todos os movimentos de luta pela cidadania.
 
Ao assistir à reportagem, imediatamente pensei que outras figuras públicas nada respeitáveis pelo passado ou pelo presente nunca foram constrangidas a responder às questões que o rabino respondeu. Mesmo que mentissem vergonhosamente como sempre mentem. Mesmo que não olhassem de frente para a câmera como o rabino olhava.
 
Que tal entrevistas diárias com Sarney, Barbalho, Renan, Arthur Virgílio, Collor, ACM, Dilma, Nelson Jobim e outras figuras nacionais, para que respondam como praticaram seus atos, se sentem arrependimento pelo que fizeram, e todas as perguntas imbecis que fizeram a Sobel?
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Como o sol e a chuva....

Domingo, 27.05.07

 

“Além dos milhões de reais desviados dos cofres públicos e consumidos em propinas todos os anos, a corrupção custa ao Brasil cerca de R$ 1,5 bilhão por ano em perdas indiretas. Esse é o total de recursos que deixam de ser gerados por causa dos efeitos da corrupção sobre os investimentos, os gastos do governo, a inflação, a educação e a credibilidade do País, segundo cálculos do especialista Axel Dreher, professor do centro de pesquisas de conjuntura do Instituto Econômico Suíço. Com esse dinheiro, o governo federal poderia tapar os buracos de 4 mil quilômetros de estradas(...)”
 
 
 
 
“A falta de transparência em relação aos gastos públicos no Brasil é um dos principais causadores da proliferação de “mensaleiros”, “sanguessugas” e “navalheiros” pelo país. O esquema comandado pela empresa Gautama, desvendado na última semana pela Polícia Federal, deixou clara a fragilidade do sistema público de contratação de serviços, alvo principal da quadrilha. Nos municípios o problema acaba sendo ainda maior. Pesquisa demonstra que metade dos pareceres prévios emitidos pelos tribunais de contas indicando rejeição às prestações de contas municipais sobre aplicação de recursos públicos resulta da falta de transparência sobre processos administrativos de compras e licitações(...)”
 
 
 
Sabemos os danos da corrupção,
e quantas mulheres morrem tendo como causa
a gravidez interrompida em fundos de quintais.
 
Sabemos os ralos por onde se esvaem
a honra, a dignidade e a cada vez mais distante
possibilidade disto ser uma nação.
 
Sabemos ainda a diferença entre a renda média
dos 10% mais pobres e os 10% mais ricos,
algo assim como o montinho de areia do meu jarro e o Himalaia.
 
Informam-nos o índice de mortalidade infantil,
e que a maior causa da perda de vida da população jovem brasileira no último ano
foi por morte violenta e suas variações.
 
Sabemos que, historicamente, os negros são tratados
como cidadãos de segunda classe
e que acumulam toda sorte de indicadores negativos:
os maiores índices de analfabetismo, os menores salários e os piores postos de trabalho.
 
 Este “saber” faz, às vezes, parecer, que a fome, o desemprego, a injustiça, os maus tratos, são decorrentes da natureza de um país tropical.
E que não doem.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quiz!

Quinta-feira, 24.05.07

 

O que aconteceria se, num país civilizado - onde cidadãos respeitam e são respeitados pelas autoridades – um juiz do Supremo Tribunal  chamasse, indiretamente, um  ministro de canalha e este respondesse, indiretamente, que é mesmo?

 

 

 

“O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes acusou na noite desta quarta-feira a Polícia Federal de agir com métodos "fascistas" na Operação Navalha.

O ministro disse ser uma "canalhice" o vazamento de informações pela PF sobre inquérito que tramita em segredo de Justiça. Mendes responsabilizou o ministro Tarso Genro (Justiça) pelo vazamento de informações da Operação Navalha.

"É responsabilidade do ministro da Justiça responder por esses vazamentos. Eu disse hoje ao ministro Tarso que esse tipo de prática revela uma canalhice. Não podemos brincar com as pessoas sérias do país", criticou.”

 

http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u92789.shtml

 

 

 

“O ministro Tarso Genro (Justiça) admitiu nesta quinta-feira o possível vazamento da Polícia Federal de informações sigilosas do inquérito da Operação Navalha --que desarticulou uma suposta quadrilha que fraudava licitações para realização de obras públicas. A conduta da PF na operação foi criticada pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes.

"Se houve algum equívoco, algum vazamento, e é possível que tenha havido, se houver alguma lesão ao direito individual de alguém, isso deve ser corrigido", disse Tarso hoje à tarde no Rio.”

 

http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u92820.shtml

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Azíaga.

Quinta-feira, 24.05.07

 

Não me venham com tratados de bem viver,
nem com as otimistas possibilidades de ser feliz.
Sou de um tempo em que felicidade era fruto da esperança coletiva
e o bem estar individual não se sobrepunha à tarefa.
Tarefa tal qual a descreve Geir Campos:
 
Morder o fruto amargo e não cuspir
mas avisar aos outros quanto é amargo,
cumprir o trato injusto e não falhar
mas avisar aos outros quanto é injusto,
sofrer o esquema falso e não ceder
mas avisar aos outros quanto é falso;
dizer também que são coisas mutáveis...
E quando em muitos a noção pulsar
— do amargo e injusto e falso por mudar —
então confiar à gente exausta o plano
de um mundo novo e muito mais humano.
 
 
Cansei de disfarçar como se fosse minha a culpa de não ser feliz onde a tristeza, o tédio, e a angústia e a raiva disseminada nos olhares e nos crimes insanos cometidos todos os dias nas ruas, grassam como ervas daninhas.
Não há Pondera que dê conta.
Ainda gosto de música - que quase não ouço -
e de amigos e sorvetes.
Mas estou cansada de ser cordial com este tempo de devastação. E começo a descrer do “ mundo novo e muito mais humano”.
 
E me exasperam os que fazem de conta que estamos todos bem.
 
 
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Aos jornalistas.

Sábado, 19.05.07

 

 

Tem negros na sua redação?

Maurício Pestana (*)

Recentemente, em entrevista concedida aqui no Comunique-se a respeito da minha mais recente publicação, ” Revolta dos Búzios – Uma História de Igualdade no Brasil”, o brilhante jornalista José Paulo Lanyi desferiu-me uma pergunta que jamais imaginei pudesse causar tantos comentários pró e contra a presença de negros nas redações.

Respondi que, de acordo com minha experiência em todas as redações por que passei, a realidade era a quase inexistência da presença negra . Disse-lhe que atribuía isso a vários fatores, que o principal talvez fosse a falta de qualquer tipo de política de inserção de negros nas universidades e que isso não era um caso isolado no jornalismo brasileiro.

Estamos fora de qualquer posto de comando, decisão e estratégico da mídia, da política, do comércio, da indústria, enfim, da economia brasileira. Mesmo sendo quase 50% da população deste país, ocupamos hoje um percentual insignificante dos bancos escolares nas universidades. Só para citar um exemplo: pesquisa realizada recentemente na USP- Universidade de São Paulo demonstrou que apenas 1,3% dos alunos da mais importante universidade brasileira são negros.

Discutir de forma clara, objetiva, sem ranço e preconceitos a aplicação de ações afirmativas e cotas no Brasil tem sido uma tarefa difícil para ativistas que lutam por um país justo e menos desigual . É impossível entrar nessa discussão sem levar em conta aspectos históricos, políticos, econômicos, sociais e culturais do povo brasileiro . Aliado a esse estudo há de se pensar também a questão racial, sim, mas pelo prisma do principal vitimado dessa problemática: o próprio negro.

Todas as pesquisas dos mais respeitados órgãos, como IBGE, IPEA e DIEESE, apontam para a cor da pele no Brasil como um forte demarcador de posição e decisiva no ingresso , permanência e ascensão do negro no mercado de trabalho, na maioria das vezes independentemente do grau universitário deste “cidadão”. São dados de órgãos respeitados obtidos por técnicos, e não por militantes da causa negra . Os relatórios são quase unânimes em afirmar que sem uma política clara e objetiva de inclusão do negro não haverá a menor chance de quebrar a barreira da exclusão , preconceito e do racismo brasileiro.

Em uma sociedade como a nossa em que quase todos estão perdendo alguma coisa e apenas uma minoria domina os principais setores da economia, da política e conseqüentemente da vida nacional, o simples fato, a mais remota hipótese de que uma medida tentará reparar parte das injustiças históricas com uma minoria discriminada - e que boa parcela da população “em tese” ficará de fora-  tem causado enorme barulho e revolta daqueles que se sentem aviltados nos seus direitos e também dos preconceituosos enrustidos, que nunca defenderam nada, mas que agora saem da toca defendendo escola fundamental pública de qualidade para os negros se prepararem melhor (sem cotas); saem também na defesa dos brancos pobres (com cotas sociais); denunciam racismo às avessas e uma série de outras baboseiras sem o menor fundamento teórico ou técnico.

Os próprios técnicos do IPEA apontam que mesmo com ensino fundamental de qualidade a comunidade negra levaria décadas para reverter a desigualdade secular em que se encontra neste país.

Raros são os jornalistas que procuram pesquisar a fundo a questão levando em consideração a histórica exclusão econômica, política e social do negro no Brasil. Mais raros ainda são aqueles que escrevem ou se dedicam a fazer um estudo profundo sobre o 14 de maio de 1888, o dia mais longo para o negro no Brasil, uma vez que ele ainda não acabou, pois, após mais de 350 anos de trabalho para a construção desta nação , fomos jogados às margens da sociedade sem qualquer reparação ou política compensatória, ou inserção na nova economia.

Raríssimos são os jornalistas como Miriam Leitão, da Rede Globo, que mesmo de forma solitária tem a coragem de dizer que o Brasil só resolverá seus problemas econômicos no dia em que encarar seus problemas raciais, pois essa questão é sim fator de desigualdade, e sem o seu enfrentamento estaremos fadados a não sair do Terceiro Mundo.

Raros também são aqueles capazes de admitir que durante toda a sua carreira poucos foram os seus colegas negros de redação não pertencentes ao “quadro negro” de manutenção, como seguranças , copeiros , ascensoristas e às vezes recepcionistas.

Dentro desta linha , raros, incluem-se também os veículos de informação capacitados para um debate franco, aberto, sem conceitos já preestabelecidos, uma vez que lhes falta o mais importante: material humano que lhes garanta imparcialidade no assunto.

Porém, a “tradição” da imparcialidade contemporânea da imprensa brasileira tem demonstrado em alguns casos um grande esforço em entender e abordar de forma justa essa questão.

A última tentativa quase bem-sucedida foi da revista Superinteressante, que na edição de maio (talvez por conta do 13 de maio) publicou extensa matéria sobre as cotas nas universidades brasileiras. Tentando uma imparcialidade total , a revista abre espaços para os prós e para os contras das cotas. Analisando tecnicamente a matéria podemos perceber que foram dadas 175 linhas de texto para os argumentos favoráveis às cotas e 214 linhas para os contrários às cotas . O lado positivo da matéria é a pesquisa que a revista faz na própria redação, em que constata a inexistência de negros . A Superinteressante, desde 2004, é 100% branca, ou seja, não existe um só negro na redação! Parabéns para a autocrítica! E você , já avaliou a cor da sua redação?

(*) Maurício Pestana é publicitário e cartunista. Tem trabalhos publicados no Brasil e no exterior. É editor do site www.mauriciopestana.com.br.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

E boa sexta pra você!

Sexta-feira, 18.05.07

 

 

" Eu não acho mais graça nenhuma nesse ruído constante
que fazem as falas das pessoas falando, cochichando e reclamando, que eles querem mesmo é reclamar,
como uma risada na minha orelha, ou como uma abelha, ou qualquer outra coisa pentelha,
sobre as vidas alheias, ou como elas são feias,
ou como estão cheias de tanto esconderem segredos
que todo mundo já sabe, ou se não sabe desconfia.
Eu não vou mais ficar ouvindo distraido eles falarem deles e do que eles fariam se fosse com eles
e do que eles não fazem de jeito nenhum, como se interessasse a qualquer um.
Eles são: As pessoas. As pessoas todas, fora os mudos.
Se eles querem falar de mim, de nós, de nós dois,
falem longe da minha janela, por favor, se for para falar do meu amor.
Eu agora só escuto rádio, vitrola, gravador.
Campainha, telefone, secretária eletrônica eu não ouço nunca mais, pelo menos por enquanto.
Quem quiser papo comigo tem que calar a boca enquanto eu fecho o bico.
E estamos conversados."

(E estamos conversados - Arnaldo Antunes, Paulo Tatit)


Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 14:49

À benção, IPAS!!!

Quinta-feira, 17.05.07

 

 

Texto do cartão postal do IPAS Brasil e outras instituições não-governamentais:

 

 

Brasileiros (as) incluindo
católicos (as) fazem sexo por
prazer, usam camisinha,
apoiam a diversidade sexual,
não condenam mulheres
que abortam e querem o
Estado laico como garantia de
direito para todos (as).




Pesquisa de Opinião
IBOPE/CDD fev/05

86% dos católicos (as) defendem que as
decisões do legislativo e do judiciário devam
ser baseadas na diversidade de opiniões
e não em idéias religiosas


93% dos católicos acham que o serviço de
saúde deve atender as mulheres que tenham
problemas de saúde decorrentes de aborto


97% dos católicos (as) acham que o governo
deve promover o uso de preservativos
para combater a aids


86% dos católicos (as) são favoráveis ao uso
de contraceptivos


 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

CARAMBA!!!

Quinta-feira, 17.05.07

 

 

 

 

40 ANOS DE SGT. PEPPER'S !!!!


Q-U-A-R-E-N-T-A!!!!!!!


Parece que foi anteontem....... 



 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 07:36

...e esperanças no futuro...

Terça-feira, 15.05.07

 

 

 

 

...mas a Bia me olha com ironia, questionando este já quase atávico mau humor, agravado pela gripe que me tirou hoje de circulação!

E carrega suas empadinhas, convicta de  que tudo vai ser melhor!

 

Um beijo, Bia.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vozes do além...

Terça-feira, 15.05.07

 

 

“... O país perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos, as consciências em debandada, os caracteres corrompidos. A prática da vida tem por única direcção a conveniência.
Não há princípio que não seja desmentido. Não há instituição que não seja escarnecida. Ninguém se respeita.

Não há nenhuma solidariedade entre os cidadãos.Ninguém crê na honestidade dos homens públicos. Alguns agiotas felizes exploram.
A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia.
 
O povo está na miséria ...”
 
 
 
 
Não. Esse não é um trecho do Papa Bento XVI falando sobre ó Brasil, nem do Artur Virgílio, paladino da moralidade. E também não é do Presidente Lula, se queixando que não o deixam trabalhar.
 
O autor é Eça de Queiroz. 1871.
 
Axé!
 
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 09:50


Comentários recentes

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...

  • Adelina Braglia

    Amém! Beijo.

  • Marga

    Querida, bom lhe ter de volta aos textos que retra...






subscrever feeds



Pág. 1/2