Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



foto do autor


calendário

Dezembro 2007

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031


Pesquisar

 


Pôxa....Assim...Caramba!

Quinta-feira, 27.12.07

 

 

A menina e o menino (para sermos politicamente corretos) dos olhos do Presidente Lula, o PAC,  no apagar das luzes do ano, estão muito, muito sonolentos.
 
O discurso inicial do Governo que o PAC iria “arrebentar” o crescimento nacional, com investimentos maciços em obras estruturantes, que levariam desenvolvimento, empregos e -  porque não? - muita felicidade para os brasileiros e brasileiras, revelou-se assim:
 
·        “Faltando cinco dias para acabar o ano, a União investiu menos da metade do previsto em orçamento, nas obras e aquisições de equipamentos (42%). Dos R$ 40,8 bilhões autorizados em 2007, foram gastos R$ 17,2 bilhões até 24 de dezembro.
 
·        ...a  execução deste ano poderia ser ainda menor se fossem desconsiderados os “restos a pagar”, que são dívidas dos anos anteriores que não foram quitadas no período de sua competência e acabaram arrastadas para os anos seguintes. Assim, grande parte dos investimentos em 2007 não representa, em si, novas obras que integram o orçamento vigente. A parcela de desembolsos destinada exclusivamente para as novas ações iniciadas neste ano é de apenas R$ 7 bilhões. Os outros R$ 10,2 bilhões foram utilizados para o pagamento das dívidas de exercícios passados.
 
·        Segundo o professor de economia da Universidade de Brasília Roberto Piscitelli, o nível de realização dos investimentos ainda está muito baixo. “Não há mais problema de caixa no governo federal. Eu me surpreendo com esses baixos níveis de execução, porque a essa altura do ano não há muito mais o que se fazer. Na melhor das hipóteses, os compromissos deste ano ficarão novamente como 'restos a pagar' para 2008, explica o economista.
 
·        “Uma hipótese é a de que o governo esteja buscando o maior superávit primário possível. Então, faz-se muito alarde, mas diversos setores preferem continuar dando um ritmo vagaroso aos gastos. Outra, é que existe uma certa incapacidade dos gestores. Falta ousadia, eles estão muito amarrados”, comenta o mesmo professor.
 
Por setores, os investimentos em educação, saúde e trabalho foram, respectivamente. 44,2%, 29,3% e 57,1%.
 
 
 
Brasileiras e brasileiros:
 
 
 
Feliz Ano Velho!
 
 
 
Foto: Agencia Estado
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 09:18


Comentários recentes

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...

  • Adelina Braglia

    Amém! Beijo.

  • Marga

    Querida, bom lhe ter de volta aos textos que retra...