Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Agosto 2007

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Pesquisar

 


A barbárie e a morte de Eduardo Lauande, por Lúcio Flávio Pinto.

Sábado, 11.08.07

 

 

" A voz que não morre

Eduardo Lauande abriu sua tenda no mundo. Tinha o largo espírito avarandado de suas origens, circulando como um beduíno por todos os lugares, em cada um deles deixando sua marca de alegria, desprendimento e generosidade. Sua morte, aos 41 anos, no final do mês passado, foi um ultraje à sua vida. Foi assassinado com dois tiros por um dos dois assaltantes que investiram contra sua esposa, a quem tentara defender. Disparos feitos deliberadamente para matar. Bastaria ao bandido um golpe de mão para se livrar do inesperado atacante e fugir, ainda levando o butim da ofensiva. Mas como a vida vale pouco, ou nada, achou de punir o cidadão com a pena máxima, ao alcance do seu capricho, do poder absoluto que essas pessoas violentas se conferem numa sociedade que não se dá conta do valor singular da vida humana – e não a defende com os meios possíveis, desejáveis, necessários.
Lauande foi morto em frente à casa onde morava, da mãe. Recém-saído de um cargo importante na Secretaria de Planejamento do Estado, se locomovia em ônibus e táxis, por não dispor de condução própria. Sua residência era num bairro popular, o Marex, que confina com uma área de invasão, cenário para um ambiente de tensão permanente, que freqüentemente resulta em violência, sangue e morte.
Lauande abstraía essas condições para manter seu modo de viver, sempre aberto às festividades, do corpo e do espírito. Merecia uma morte digna: depois de viver bastante, intensamente, como sempre fez, e ao lado dos muitos e firmes amigos. O encontro final foi precoce e triste, mas todos estavam lá. Chocados, indignados, revoltados, mas ao lado do cidadão que congregou tanta e tão dispare gente com sua tenda de amizade, ampla e incondicional.
Essa morte foi um atestado da barbárie que impera na cidade e não um retrato de Lauande. O retrato que temos dele – e que ficará conosco para sempre – é exatamente o oposto: a consagração do valor único da vida. Uma lição que cumpre agradecer e exaltar. Foi o recado silencioso e definitivo do ruidoso Eduardo André Risuenho Lauande."
Lucio Flávio Pinto, Jornal Pessoal, agosto de 2007.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 09:03

1 comentário

De Elza a 13.08.2007 às 03:42

Olá!!
Estou passando por aqui para dar meus parabéns
pela sua indicação, ao prêmio blog 5 estrelas!
Seu blog é muito original, parabéns 2x!
rsrs..
boa semana.
=]

Comentar post



Comentários recentes

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...

  • Adelina Braglia

    Amém! Beijo.

  • Marga

    Querida, bom lhe ter de volta aos textos que retra...