Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


foto do autor


calendário

Março 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031


Pesquisar

 


Num novo tempo...

Segunda-feira, 23.03.15

Ouvi hoje o Concerto de Reencontro do Quilapayun.

 

Memórias de um  tempo em que acreditávamos tanto! Cada um a seu jeito sonhávamos um país feliz. Não, não bastava um país melhor (?)ou  justo: era fundamental sermos felizes.


Em 1995, estava em São Paulo e conversava com um amigo sobre aqueles “novos tempos” que estávamos vivendo. Ele, como eu, remanescente de um tempo onde o inimigo declarado era combatido com todas as forças. E ele disse, profeticamente: “O problema, Adelina, é que hoje não sabemos  quem é o inimigo, porque estamos cercados de pequenos canalhas”.

 

Em 1996 retornei ao Pará. A sensação era de que em poucos quatro anos – período em que fiquei em São Paulo – havia se alargado o fosso entre a civilidade e/ou cidadania, e nós.  O Brasil “real” continuava à deriva, refém dos planos e projetos exógenos a todo e qualquer desenvolvimento local. Agravaram-se nossas condições de quintal do país e do mundo. Ergueu-se a bandeira da  defesa da Amazônia e pasteurizados sob essa insígnia, vamos caminhando dolorosamente para uma pré-história do direito e da civilização.

 

O Concerto de Reencontro do Quilapayun tem, entre outras canções maravilhosas, “Te recuerdo, Amanda”, relembrando Victor Jara. A música é um momento da  história de Amanda que corre ao encontro do amado, Manuel,  mas que ela não voltará a ver, eis que ele “... partió a la sierra, que nunca hizo daño, que partió a la sierra y en cinco minutos quedó destrozado.Suenan las sirenas de vuelta al trabajo, muchos no volvieron, tampoco Manuel...”

 

Nossos manuéis chamam-se Raimundo, José, Sandoval, nossas amandas são Maria, Francisca, Josefa. Seus homens não morrem de forma tão gloriosa: são esmagados silenciosamente por uma árvore, afogados num naufrágio. As amandas também perecem, nas ruas, nos campos ou nos hospitais.

 

Se chegar um novo tempo e  vocês conseguirem dar cabo dos pequenos canalhas, cantem uma canção por mim.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 18:03

Olhar de vinte e poucos anos.

Domingo, 04.01.15

De volta ao blog numa travessia sem muitos músculos adquiridos - a idade já não favorece! - mas respirando melhor.

 

2015 tem cheiro e dados de 1998, com alguns milhões de brasileiros a mais, cheios de esperança. Saravá!

 

Nessa casca sexagenária, olhos de vinte e poucos anos enxergam o mundo com desfonfiança na nossa capacidade em escolher a trilha civilizatória e não a da barbárie, desde a mais brutal à mais sofisticada. É certo que entre o olhar de vinte e poucos anos e a realidade dos 65, alguns medos foram vencidos, um ou outro anseio superado, meia dúzia de desejos realizados e várias expectativas resolvidas, ainda que umas pela metade. Mas uma  imorrível (gostaram) e estúpida esperança persiste.

 

Ainda assobio canções na rua ou nos corredores, vício juvenil, que hoje provoca estranheza em quem cruza comigo e me faz, às vezes, assumir a censura e engolir o assobio. Mudei alguns conceitos sobre a bondade humana, mas acredito que ela pode ser plantada e cevada pelos controles sociais. Uma enorme revisão da teoria de Rousseau, que cultuvei por décadas, reconheço.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hai Kai, ai...ai...

Terça-feira, 18.12.12

 

 

Ao não me reconhecer,  me reconheço

 

Estranho enigma, mentirosa dubiedade.

 

Aquela que sou, quando no avesso

 

É quem sempre fui  na realidade.

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Saravá, Brasil.

Quarta-feira, 14.11.12

 

Vivemos tempos de guerrilhas  e batalhas. Umas a bala e nas trincheiras - palavra tão antiga quando a morte é rápida e virtual! - outras no dedilhar de teclados assinando petições ou declarando nossas convicções. Esforço-me por me adaptar ao meu tempo, algumas vezes com exito e noutras com uma enorme nostalgia.

 

Sou de um tempo onde ladroagem era  bater carteira de desavisados e não o usufruto do dinheiro público. Não que não houvesse  - Adhemar de Barros que o diga! - mas a agressividade e o cinismo não eram tão prosaicos!  Mendigo não era palavra feia e referia-se ao “conhecido e estimado pedinte”, que almoçava na porta de casa, dia sim, outro também. E a nova classe média era aquela que, apesar da baixa renda, buscava  a ascenção social pela luta pelos direitos.

 

Meu tempo era o do carro-biblioteca do SESI, que  trazia a cada quinze dias o mundo novo dos livros na esquina de casa. O carteiro era mais aguardado do que o resultado das loterias. Os cachorros corriam enlouquecidos atrás do caminhão do lixo e todas as quartas-feiras o cheiro de peixe da feira semanal invadia nossa rua, antes do carro da prefeitura passar, lavando o asfalto e as calçadas.

 

E daí? Daí, quase nada.

 

Talvez por isso não nego esmolas nas ruas e as poucas vezes em que vou ao Ver-o-Peso, sinto uma enorme saudade das ruas da Vila Madalena.

 

Talvez por isso, ainda que cultive uma apaixonada relação com a Internet, pela velocidade com que nos informa e torna acessível algum conhecimento,  cada vez que tenho um livro nas mãos é como se pegasse uma pedra preciosa, e das letras fluísse uma sabedoria enorme! Tá, não me venham dizer que idiotas também publicam livros, pois basta não lê-los!

 

Talvez por isso também minha tristeza imensa quando leio o  cotidiano nas páginas policiais dos jornais,  onde os netos e bisnetos dos mendigos cordiais das minhas ruas de infância são mortos e esquartejados  na impiedosa demonstração dos resultados da reprodução e do agravamento da desigualdade e da pobreza. E quando vejo que criminosamente se mata todos os dias a alma dos jovens, que saem das escolas sem jamais terem pego nas mãos um livro, salvo aqueles que ensinam que  há nobreza nas fotos dos homens de gravata e torpeza nos que trazem enxadas nas mãos.

 

Saravá, Brasil!

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Salif e Cesaria

Quinta-feira, 08.11.12

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 20:06

Pra aliviar o post anterior. De leve....

Quarta-feira, 07.11.12

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 20:24

Passando a limpo.

Quarta-feira, 07.11.12

Limpando o micro encontrei uns textos perdidos numa caixa "Perdidos" (original, não?). Aí vai o primeiro:

 

 

 

Canto meus bordões como se fossem sérios e rio sem graça das mesmas perguntas, enquanto o sol do Equador queima peles e tempo.

 

Não tenho tempo  e sempre que o quero, o perco.

 

Um diagrama simples me emaranha todos os dias.

 

Enquanto  Nana Caymmi canta a caixa de chicletes, eu lembro das caixinhas Adams, as amarelas, tão graciosas quando se é criança.

 

Digo coisas que queria ter dito e penso outras que detesto haver pensado.

 

Um bolero, de repente, se sobressai sobre a incrível canção de ontem e eu vejo o céu nublado, torcendo pela chuva que não cai.

 

E volto a pensar meus dogmas de juventude e sinto então uma saudade enorme do que fui e do que deixei de ser.

 

(Bordões, agosto, 2005)

 

 

 

A música coloquei hoje..rsrs...

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 19:04

Portugal, nosso irmãozinho.

Domingo, 04.11.12

 

Carta à Alemanha

 

Senhora Merkel, Chanceler da Alemanha

Venho pedir-lhe, por ocasião da visita que em breve nos fará, para levar consigo na partida uma breve mensagem aos seus concidadãos. Eis o que gostava que lhes transmitisse:

 

• Sabemos que na década passada os vossos governos vos disseram que tinham de abrir mão de parte dos salários para preservar o futuro do vosso Estado Social. Disseram-vos, e vocês acreditaram, que se prescindissem de uma pequena parte do rendimento presente vos tornaríeis “mais competitivos” e que, dessa forma, o vosso país poderia obter uma poupança capaz de sustentar as vossas pensões e os direitos sociais dos vossos filhos no futuro.

 

• Sabemos que a década passada não foi fácil para vós e que o vosso país se tornou desde então menos bonito e mais desigual. Sabemos também que o objetivo pretendido foi conseguido. Que a Alemanha se tornou «mais competitiva», exportou muito, importou menos e mais barato, conseguiu grandes excedentes da balança de pagamentos e acumulou poupança nos vossos bancos.

 

• Nós sabemos, mas vocês talvez não saibam, porque isso não vos é dito pelos vossos dirigentes, que esse dinheiro acumulado nos vossos bancos, foi por eles aplicado, à falta de melhor alternativa, em empréstimos a baixo juro aos bancos do sul da Europa, entre os quais os bancos portugueses, e por eles emprestado de novo com muita publicidade e matreirice a famílias do sul cujos salários também não cresciam por aí além, mas que desejavam ter casa, carro e um modo de vida parecido com o vosso.

 

• As nossas economias sujeitas à concorrência criada pela globalização que tanto convinha às vossas empresas exportadoras cresciam pouco. Mas o crédito que os vossos bancos nos ofereciam, por intermédio dos nossos, lá ia permitindo que as nossas famílias tivessem acesso a bens de consumo, muitos deles com origem nas vossas empresas exportadoras. Durante algum tempo este estado de coisas parecia ser bom para todos.

 

• Quando em 2008 todas as bolhas começaram a estoirar, os vossos bancos descobriram que não podiam continuar a arriscar tanto e cortaram o crédito aos bancos do sul e mesmo aos Estados. Se a União Europeia não tivesse decidido que nenhum banco podia abrir falência, responsabilizando os Estados pelas dívidas bancárias, teríamos assistido a uma razia quer dos bancos endividados, quer dos bancos credores. Mas a UE decidiu que os governos iam «resgatar» os bancos e que depois ela própria, com o BCE e o FMI, «resgatariam» os Estados. Foi desta forma que os vossos bancos, que haviam emprestado a juros baixos para lá de todos os critérios de prudência, se salvaram eles próprios da falência. Foi assim que eles conseguiram continuar a cobrar os juros dos empréstimos e a obter a sua amortização. Doutra forma, teriam falido. Talvez vocês não saibam, mas os empréstimos concedidos à Grécia, à Irlanda e a Portugal são na realidade uma dívida imposta aos povos destes países para «resgatar» os vossos bancos.

 

• Talvez vocês não saibam também que até agora, os vossos Estados, todos vós como contribuintes, não gastaram um euro que fosse nos «resgates» à Grécia, à Irlanda e Portugal. Até agora o vosso governo concedeu garantias a um fundo europeu que emite dívida a taxas quase nulas para emprestar a 3% ou 4% aos países «resgatados».

 

•Talvez vocês não saibam que em breve este estado de coisas se pode vir a alterar. A austeridade imposta em troca de empréstimos está a arrasar os países «resgatados». Em breve, estes países, chegarão ao ponto em que terão de suspender o serviço da dívida. Nessa hora, haverá perdas, perdas pesadas para todos, contribuintes alemães incluídos.

 

• Talvez vocês não saibam, mas no final, todo o esforço que haveis feito na década passada para tornar a Alemanha «competitiva» e excedentária se pode esfumar num ápice. Afinal os vossos excedentes, são os nossos défices, os créditos dos vossos bancos são as nossas dívidas. Os vossos dirigentes deviam saber que uma economia é um sistema e que a economia do euro não é exceção. Quando as partes procuram obter vantagens à custa umas das outras, o resultado para o conjunto e cada uma delas não pode deixar de ser desastroso.

 

• Talvez vocês não saibam, mas os vossos dirigentes andam a enganar-vos há muito tempo.

Perdoe-me senhora Merkel se entre uma e outra palavra deixei transparecer amargura em excesso. É que não sou capaz de o esconder: o espetáculo de uns povos contra outros é para mim insuportável, sobretudo quando afinal todos eles se debatem com um problema que é comum – o da finança que governa com governos ao serviço de 1% da população, como o seu e o nosso. À memória ocorrem-me tragédias passadas que deviam ser impensáveis. Concordará comigo pelo menos num ponto: é preciso evitar esses inomináveis regressos ao passado.

 

José Maria Castro Caldas

 

(Capturado do Blog Samartaime, aí ao lado)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 22:08

Não são anos, são décadas.

Sábado, 03.11.12

O tempo marcado em décadas, se peso tem, tem também a qualidade de permitir “olhar” a passagem do tempo com mais generosidade. Comigo e com a humanidade!

 

A primeira vez que me dei conta disto foi quando completei 50 anos. Talvez a emblemática quantia de anos - meio século! - tenha chamado minha atenção mais do que as outras dezenas que já havia percorrido. A partir daí, passado o susto da porção de século, a próxima década foi tranquila. E o tempo passou a ter outro peso, dando a tranquilidade de olhar fatos e coisas com mais calma. Talvez por isto fico curiosa com as matérias sobre os 70 anos de Milton Nascimento ou os de Clara Nunes, se viva estivesse, o centenário do nascimento de Nelson Rodrigues, o centenário da imigração japonesa, e por aí vamos.

 

Nestas comemorações recentes de décadas disto e daquilo, a que mais me divertiu foi o cinquentenário dos Rolling Stones. Na foto mais divulgada, as aparências destacadas: o histriônico Mick Jagger, o transgressor Keith Richards, o contido Charlie Watts e o enigmático Ronnie Wood. Assim eles ficaram na minha memória, ainda que os soubesse personagens de si. Da mesma maneira me vejo como personagem de mim.

 

Criamos modelos de filha, irmã, mãe, amiga, amante, profissionais. Modelos de força ou fragilidade, dependendo do contexto ou da circunstancia. Às vezes uma das interpretações é tão forte que nos cola na pele e passamos anos - décadas? - sem nos livrarmos dela.

 

O que é tudo isso? É só rock and roll. Simples assim. Um amanhecer de sábado, depois de um bom café e o desejo de escrever.

 

 

Tenham um ótimo dia.

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 06:51

Vozes negras.

Sábado, 20.10.12

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adelina Braglia às 23:59


Comentários recentes

  • Anónimo

    Meu pai foi um desses homens procuro por uma foto...

  • Adelina Braglia

    Salve, Cris.Mudamos todos, nós, os blogs, o Juca q...

  • cris moreno

    saudades. estava me lendo no travessia e vi como b...

  • Adelina Braglia

    Amém! Beijo.

  • Marga

    Querida, bom lhe ter de volta aos textos que retra...






subscrever feeds